Tikhanovskaya quer que Macron medeie crise bielorrussa

A líder da oposição da Bielorrússia, Svetlana Tikhanovskaya, pediu esta segunda-feira ao presidente francês Emmanuel Macron que actue como “mediador” para resolver a crise na ex-república soviética, com a esperança de que consiga unir o presidente russo Vladimir Putin ao diálogo.

Numa entrevista à AFP, Tikhanovskaya afirmou que a União Europeia (UE) deve ampliar as sanções previstas contra o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko e incluir os empresários que apoiam o regime.

“Os protestos não vão parar”, disse numa entrevista à AFP em Vilnius, Lituânia, onde está exilada desde as eleições presidenciais bielorrussas de 9 de Agosto, nas quais enfrentou Lukashenko, eleito com 80 por cento dos votos, de acordo com os resultados oficiais, questionados pela oposição.

“O povo não aceitará o regime sob o qual viveu todos estes anos”, completou.

A opositora bielorrussa afirma que espera ter uma reunião com Emmanuel Macron durante a visita do presidente francês a Lituânia, hoje e amanhã, Macron também vai visitar a Letónia na quarta-feira.

“Macron é um dos líderes mais fortes da Europa e do mundo (…) Poderia ser o mediador e ter a capacidade de influenciar Putin, com quem tem boas relações”, declarou Tikhanovskaya.

Caso aconteça, esta será a reunião mais importante para Tikhanovskaya desde as eleições do início de Agosto. O porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, afirmou que o presidente Macron “se reunirá com a opositora se ela solicitar”o encontro.

“O que está a  acontecer na Bielorrússia é uma crise de poder, um poder autoritário que não consegue aceitar a lógica da democracia e se aferra ao poder pela força”, defendeu Attal.

Tikhanovskaya, de 38 anos, dona de casa e com formação como professora de inglês, já se reuniu com os líderes da Polónia e da Lituânia, dois países vizinhos e membros da União Europeia, assim como com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

“Agora é o momento certo para iniciar um diálogo”, completou, em referência ao pedido a Macron.

A União Europeia considera adoptar sanções pessoais contra Lukashenko e outros funcionários do governo bielorrusso, que considera responsáveis pela violenta repressão contra os manifestantes, especialmente durante as primeiras noites de protesto após as eleições.

Tikhanovskaya deseja que a UE vá mais longe e adopte “sanções económicas contras empresas e empresários que apoiam o regime de Lukashenko”.

Neste sentido, a opositora enfatizou que as sanções não devem afectar a economia geral da Bielorrússia porque “as pessoas comuns serão quem mais sofre”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.