Francesa Total abandona polémico projecto de exploração no Brasil

O grupo petroleiro francês Total anunciou esta segunda-feira que transferiu para a Petrobras a sua participação num projecto de exploração no Brasil, localizado na foz do Amazonas e criticado há muitos anos pelas organizações de defesa do meio ambiente.

No início de Setembro, a empresa anunciou a intenção de abrir mão do seu papel como “operadora” nos cinco sectores de exploração da jazida do Amazonas, um projecto ao qual estava associada desde 2013 com a britânica BP e a Petrobras.

Esta segunda-feira, o grupo francês anunciou que “abandona” a bacia da Foz do Amazonas, após ter concluído um acordo com a Petrobras em 24 de Setembro para “transferir a sua participação em cinco blocos de exploração”, localizados a 120 quilómetros da costa do Brasil.

Os blocos de exploração em questão são: FZAM- 57, FZA-M-86, FZA-M-88, FZA-M-125 e FZA-M-127.

Em Dezembro de 2018, o Brasil negou à Total a licença ambiental para perfurações nos blocos, devido a “incertezas significativas” em caso de situações de emergência.

A imprensa mencionou na época “a possibilidade de vazamento de petróleo que poderia afectar os recifes de corais presentes na região, e por extensão a biodiversidade marinha”.

A rejeição foi solicitada pelo Ministério Público e por grupos de defesa do meio ambiente. A ONG Greenpeace afirmou que a Total “reactivou recentemente o processo de aquisição de licenças para perfurar perto do Recife do Amazonas, um ecossistema único e vulnerável, ainda desconhecido”.

O Greenpeace afirma que o grupo francês “apostou em Jair Bolsonaro, presidente de extrema-direita, que questiona a mudança climática, para reactivar os projetcos de perfuração no Brasil”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.