Próxima missão a Vénus pode ser privada

Será que uma pequena empresa de construção de foguetões pode ultrapassar a NASA e a Europa no intuito de explorar Vénus? Peter Beck, director da Rocket Lab, planeia lançar a sua própria sonda de baixo custo em 2023 e lançar depois uma missão a Vénus.

“Uma missão a Vénus deve custar cerca de 30 milhões de dólares”, disse Beck à AFP a partir de Auckland, na Nova Zelândia, onde a a Rocket Lab instalou a sua plataforma de lançamento, longe de tudo e de quase todos e com acesso a um céu livre de tráfego aéreo.

O planeta Vénus, quente e tóxico, deixou de ser uma prioridade para as agências especiaias na década de 1980, que se voltaram para planetas mais distantes do sistema solar, incluindo Marte, para onde dezenas de sondas e robots foram enviados, na esperança de descobrir os primeiros vestígios de vida, presente ou passada.

“Em Vénus, procuramos traços de vida actual”, corrige Peter Beck, sublinhando a palavra “actual”.

A surpreendente descoberta de uma molécula chamada fosfina nas nuvens de Vénus, graças aos radiotelescópios, despertou uma onda de entusiasmo a 14 de Setembro entre astrónomos e astrobiólogos que há anos defendem a hipótese de que micróbios ainda vivem nas nuvens do planeta. A fosfina, no entanto, não é uma prova definitiva.

O anúncio fez até o director da NASA dizer que Vénus deveria ser uma prioridade novamente. Beck passou dois anos a pensar na viabilidade de enviar uma sonda, desenvolvida inteiramente de forma privada.

O empresário calculou, com a ajuda de um aluno de doutoramento, que o pequeno foguetão desenvolvido pela Rocket Lab – o Photon – poderia ser adaptado a viagens interplanetárias, até então reservadas a agências espaciais: “Quando falamos sobre missões interplanetárias no valor de milhões de dólares ao invés de milhares de milhões de dólares, em meses ao invés de décadas, são criadas oportunidades para descobertas incríveis”, exclama Beck.

Vida útil de cinco minutos

O nicho de negócios da Rocket Lab é colocar pequenos satélites em órbita com o seu foguetão de 18 metros de altura, uma aposta lucrativa que está crescendo com a multiplicação do lançamento de microssatélites.

A sonda para Vénus será pequena: da ordem dos 37 quilos e dos 30 centímetros de diâmetro. A viagem a partir da Terra dura 160 dias e o Photon vai soltar a sonda por entre as nuvens do planeta para as analisar, sem paraquedas, a 11 quilómetros por segundo.

A sonda terá apenas entre 270 e 300 segundos para fazer as medições em partes interessantes da atmosfera, de acordo com Beck. O aparelho deverá desintegrar-se ou espatifar-se na fornalha venusiana. A temperatura média à superfície do planeta é de 465 graus.

O mais difícil será escolher o instrumento científico: que tipo de molécula deve ser procurada? Acima de tudo, terá que pesar apenas por volta de três quilogramas, uma miniaturização que alguns especialistas consideram inviável, mas na qual Beck acredita com convicção.

A Rocket Lab vai necessitar da ajuda de cientistas. A astrónoma do MIT, Sara Seager, já está a trabalhar com a empresa.

Esta aventura muito pessoal faz parte de um novo capítulo na corrida espacial, cujo melhor representante é Elon Musk, o fundador da SpaceX, que revolucionou o sector de lançamento, com a criação de foguetões reutilizáveis. O aparelho já transporta astronautas da NASA para a Estação Espacial Internacional e sonha com a colonização de Marte.

A NASA deixou de recear a contratação de missões privadas. A Rocket Lab vai receber 10 milhões de dólares para enviar um microssatélite para a órbita da lua em 2021.

Quanto a Vênus, Beck gostaria, depois da  sua primeira missão privada, de oferecer seus serviços à NASA.

A agência espacial está a considerar regressar a Vénus, mas não antes de 2026, no mínimo: “Queremos muitas, muitas missões todos os ano”, explica o jovem director da Rocket Lab.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.