Itália inicia fase de testes da sua vacina em humanos

Itália começou na segunda-feira a testar a sua vacina, criada inteiramente no país, em humanos, com o início da primeira fase num hospital de Roma, onde o primeiro voluntário foi inoculado com uma dose.

“O primeiro voluntário foi inoculado com uma dose esta manhã. Será mantido sob observação durante 4 horas por toda a equipa clínica, depois voltará para casa e será monitorizado durante 12 semanas”, disse à imprensa Francesco Vaia, director de saúde do Instituto Nacional de Doenças Infeciosas Lazzaro Spallanzani.

Vaia disse que na próxima quarta-feira, 26, vão “continuar com mais dois voluntários e assim por diante, todos os outros até 24 semanas”.

E “se tudo correr bem”, acrescentou, “haverá a segunda e terceira fase de experimentação que provavelmente faremos num país latino-americano, onde o vírus se encontra numa fase de crescimento”.

Vaia não quis antecipar datas específicas sobre quando a vacina poderá estar pronta para utilização em massa, mas esclareceu que “se tudo correr conforme o previsto, esperamos que possa ser produzida na primavera”.

Esta primeira fase conta com a participação de 90 voluntários, muitos deles médicos, de entre os vários milhares que se candidataram ao convite para estes ensaios: “Precisamos de 24 semanas para completar a primeira fase. Reduzir o tempo de experimentação não é útil… É um protocolo complexo e escrupuloso para garantir total segurança”, disse Giuseppe Ippolito, diretor científico do mesmo hospital.

A vacina, criada, produzida e patenteada pela empresa biotecnológica italiana ReiThera, com sede em Castel Romano, já passou os testes pré-clínicos realizados tanto in vitro como em animais.

A vacina italiana é o resultado de um acordo assinado pelo presidente da região de Lácio, Nicola Zingaretti, o ministro da Saúde, Roberto Speranza, o ministro da Universidade e Investigação Científica, Gaetano Manfredi, o Conselho Nacional de Investigação e o Instituto Spallanzani, e foi-lhe atribuída 8 milhões de euros, 5 milhões da região e 3 milhões do ministério de Universidade e Investigação Científica.

De acordo com o jornal La Repubblica, o primeiro voluntário, cuja identidade não foi revelada, é uma mulher de Roma com 50 anos de idade: “Acredito na ciência italiana. Espero que este meu gesto seja útil, e espero que as pessoas sejam mais responsáveis”, assinalou a mulher, de acordo com o jornal.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.