Hong Kong. Jimmy Lai pede a jornalistas que continuem a lutar

O magnata da imprensa de Hong Kong, Jimmy Lai, pediu esta quarta-feira aos jornalistas de seu conglomerado que continuem a lutar, num discurso pronunciado no dia seguinte a sua libertação sob fiança, depois de passar 40 horas em detenção.

“Vamos continuar a lutar, vamos continuar a lutar”, afirmou Jimmy Lai na redação do jornal Apple Daily. O empresário foi detido no âmbito da repressão exercida pela China contra a dissidência na antiga colónia britânica.

“Temos o apoio do povo de Hong Kong, não podemos decepcioná-lo”, completou Lai, que regressou à redação e foi muito aplaudido pelos funcionários.

O magnata, de 71 anos, tinha sido detido na segunda-feira, junto com outras nove pessoas com base na nova lei de segurança imposta pelo governo central da China em Hong Kong. Quase 200 agentes da polícia entraram na redação do jornal, visto como crítico de Pequim.

Desde que a lei foi promulgada, muitos activistas pró-democracia foram detidos e candidatos às eleições legislativas foram vetados, o que provocou a indignação dos países ocidentais.

Muitos habitantes de Hong Kong que protestaram em 2019 contra a presença crescente de Pequim no território vivem agira mergulhados no medo.

De acordo com um vídeo exibido ao vivo no Facebook, Lai pediu aos jornalistas que prossigam com o tom que provocou a irritação da China e do sector pró-Pequim de Hong Kong.

“É cada vez mais difícil administrar uma empresa de comunicação social em Hong Kong. Mas temos que continuar com o nosso trabalho”, insistiu Lai.

“Felizmente, não me enviaram para o Continente”, brincou, numa fugaz demonstração de humor negro.

Considerada uma resposta de Pequim após meses de manifestações em Hong Kong em 2019, a lei de segurança concede às autoridades locais novos poderes para reprimir o separatismo, o terrorismo e o conluio com forças estrangeiras.

Lai foi detido por acusações de conivência com forças estrangeiras e fraude.

Dois de seus filhos também foram detidos, bem como a jovem activista democrática Agnes Chow e Wilson Li, um antigo militante que se apresenta como jornalista independente para o canal britânico ITV News.

Muitos activistas consideram o diploma liberticida porque acaba com o princípio “Um país, Dois sistemas” estabelecido no período que antecedeu a transferência de 1997 e que garantia a Hong Kong liberdades desconhecidas no restante da China até 2047.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.