Palestinianos trogloditas ameaçados de expulsão por Israel

Ahmed Amarneh, stands by a tap at the kitchen of his home which he built in cave, in the village of Farasin, west of Jenin, in the northern occupied West Bank on August 4, 2020. - Amarneh, a 30 year old civil engineer, lives with his family in the northern West Bank village of Farasin, where Israel insists it must approve any new residential construction and can tear down homes built without permits. His home is not the first Palestinian residence in the occupied West Bank to receive a demolition notice from Israel. But it may be the first home built inside a cave the Jewish state has threatened to destroy. (Photo by JAAFAR ASHTIYEH / AFP)

Atrás de uma parede escavada na rocha onde uma porta foi colocada, figuram algumas divisões apetrechadas com almofadas: o palestiniano Ahmed Amarneh vive com a família numa caverna na Cisjordânia há mais de um ano, mas vive sob o receio eminente de expulsão.

Engenheiro civil de 30 anos, Amarneh vive com a esposa – grávida de cinco meses –  e a sua filha em Farasin, uma aldeia no noroeste da Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel, onde a construção de uma casa o mais das vezes tem de ser aprovada pelas autoridades israelitas.

Em alguns sectores da Cisjordânia, as autoridades de ocupação emitem avisos de demolição de estruturas julgadas ilegais. Farasin não é uma excepção, nem a caverna onde Amarneh vive com a família: “Tentei construir duas vezes, mas as autoridades israelita disseram-me que é proibido construir nesta área”, disse à AFP.

Perante a rejeição, Amarneh decidiu instalar-se numa caverna formada no sopé da colina que domina a aldeia. Depois de se informar sobre a questão, o engenheiro civil chegou à conclusão de que viver numa caverna não requer nenhuma autorização oficial, por se tratar de uma formação natural muito antiga, além de estar localizada num terreno registado em seu nome pelas autoridades palestinianas. A família mora lá há um ano e meio.

Permissão para uma caverna?

No entanto, em Julho, Ahmed Amarneh recebeu um aviso de demolição por parte das autoridades israelitas. A família de Amarneh foi uma de cerca de vinte famílias da aldeia que é alvo de uma disputa de Israel com os seus pares palestinianos.

O órgão israelita responsável pelas operações civis nos Territórios Palestinianos disse à AFP que os avisos de demolição foram emitidos porque as casas foram construídas “ilegalmente”, “sem as autorizações necessárias”: “Fiquei surpreso!”, porque “eu não criei a gruta. Ela existe desde a Antiguidade”, suspira Amarneh.

Segundo Mahmud Ahmad Naser, chefe do Conselho da aldeia, Farasin foi criada em 1920, mas foi abandonada durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Os seus antigos habitantes começaram a regressar a partir de 1980 e actualmente cerca de 200 pessoas povoam o local.

Farasin, na verdade, não se assemelha a uma aldeia. Parece, isso sim, uma constelação de pequenas casas separadas umas das outras, sem estradas pavimentadas e sem rede eléctrica.

A Autoridade Palestina concedeu-lhe estatuto oficial em Março mas, de acordo com os responsáveis pelo Conselho, a pandemia de COVID-19 impediu a implementação de medidas concretas de desenvolvimento, como por exemplo o acesso à eletricidade.

De acordo com a ONG israelita anti-colonização B’Tselem, apesar da pandemia, Israel demoliu 63 casas de palestinianos devido ao plano Trump para a região, que inclui a anexação de partes da Cisjordânia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.