Washington ensaia aproximação cautelosa a Taiwan

À margem da  investida contra a República Popular da China, o governo de Donald Trump está a intensificar o apoio a Taiwan, ainda que Washington pareça estar a promover com cautela a visita daquela que é a delegação de mais alto nível a visitar a ilha em mais de quarenta anos. A visita está a gerar insatisfação em Pequim.

Sob liderança do secretário da Saúde e dos Serviços Humanos norte-americano, Alex Azar, a delegação a Taiwan no âmbito de uma visita relacionada com o sucesso alcançado pela ilha na resposta contra a COVID-19. Trump culpa a China pela propagação da doença.

O Instituto Americano em Taiwan, a embaixada de facto dos EUA em Taipé informou que Azar é o dirigente norte-americano de mais alto nível a visitar a ilha desde 1979, quando os Estados Unidos da América romperam relações e reconheceram o governo comunista de Pequim como o único representante da China.

Por sua vez, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que raramente perde uma oportunidade de criticar a China, foi extraordinariamente cuidadoso quando questionado sobre a viagem de Azar.

“Outros membros do Governo já viajaram para Taiwan antes. Esta visita está de acordo com as políticas gizadas anteriormente”, ressaltou Pompeo em declarações aos jornalistas.

Azar “vai lá conversar com eles sobre assuntos de saúde pública”, incluindo os esforços tendo em vista o desenvolvimento de uma vacina, acrescentou Pompeo.

Os especialistas que o governo Trump está ciente dos riscos caso aumentem as tensões em torno de Taiwan, uma questão extremamente sensível para Pequim.

A República Popular da China considera Taiwan uma das suas províncias. A ilha é governada por um regime rival que ali se refugiou depois de os comunistas tomaram o poder no continente em 1949, na sequência da guerra civil que devastou o país.

Taiwan não é reconhecido como um estado independente pela Organização das Nações Unidas. E Pequim ameaça usar a força no caso de uma proclamação formal da independência em Taipé ou de uma intervenção externa, principalmente de Washington.

Douglas Paal, que chefiou o Instituto Americano em Taiwan durante a presidência de George W. Bush, afirmou que o governo Trump ainda está dentro dos limites estabelecidos pela China como alerta vermelho: nenhum oficial da segurança nacional dos EUA deve visitar Taiwan.

Na década de 1990, os Estados Unidos enviavam regularmente a Taiwan representantes comerciais, sublinha Paal.

A diferença agora é o contexto da viagem de Azar, num momento em que as relações entre Washington e Pequim enfrentam momentos de grande tensão.

Enviá-lo a Taiwan, analisa o especialista, está de acordo com os critérios estabelecidos e não infringe as posições definidas pela China, mas ao mesmo tempo envia uma mensagem inequívoca a Pequim: “O facto de eles não terem optado por enviar um conselheiro de segurança nacional ou outra pessoa sugere que estão a tentar chegar o mais perto possível do limites definidos pela China, sem, no entanto, os cruzar”, explica Paal.

Linha dura

O governo Trump tem assumido uma postura cada vez mais dura contra a China. Num discurso recente,Pompeo considerou um fracasso a política desenvolvida em relação à China ao longo das últimas quatro décadas.

Nos últimos dias, Trump ordenou restrições radicais às populares aplicações chineses TikTok e WeChat, e o Departamento do Tesouro sancionou os líderes de Hong Kong por causa da nova lei de segurança, vista pelos activistas como um instrumento legal para Pequim silenciar o dissidentes.

Paal diz que é possível que o governo Trump avance com acções mais drásticas contra a China antes das eleições de 3 de Novembro, nas quais o presidente procura ser reeleito: “Parece-me muito claramente que os chineses veem isso como uma possibilidade e estão a tentar evitar ser arrastados”, disse Trump.

Taiwan é alvo de um amplo apoio bipartidário em Washington. A presidente Tsai Ing-wen foi saudada não apenas pela resposta do seu governo ao novo coronavírus, mas também, entre os democratas americanos, pelas suas opiniões progressistas, incluindo a defesa dos direitos dos homossexuais, algo incomum para um líder asiático.

Uma lei do Congresso norte-americano exige que Washington venda equipamentos militares para Taiwan para garantir a defesa da ilha contra as forças armadas de Pequim, muito superiores às da ilha.

No último ano, naquela que foi uma das maiores vendas em décadas,  o governo americano aprovou vendas de oito milhões de dólares norte-americanos em aviões de combate para substituir a envelhecida  frota de Taiwan.

Os Estados Unidos também pressionaram para que Taiwan fosse incluída nas agências das Nações Unidas, como a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Gerrit van der Wees, um antigo diplomata holandês que lecciona a disciplina “História de Taiwan” na Universidade George Mason, afirma que Trump pareceu hesitante, e atrasou as transações ao mesmo tempo em que procurava um pacto comercial com a República Popular da China.

Porém, depois de acontecimentos recentes, como a imposição da lei de segurança chinesa em Hong Kong e a prisão em massa dos muçulmanos uigures, Washington mudou de planos, segundo van der Wees.

O governo Trump “vê isso principalmente como uma oportunidade de ultrapassar os limites em termos de fortalecimento e aprofundar o apoio a Taiwan, que construiu uma democracia dinâmica”, avalia o ex-diplomata.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.