Produto Interno Bruto deverá cair entre 54,5 e 60 por cento, diz Universidade de Macau

O Produto Interno Bruto de Macau deve cair entre 54,5 e 60 por cento este ano, estima a Universidade de Macau no seu mais recente relatório sobre a quadratura macroeconómica do território, o terceiro produzido pela instituição de ensino superior.

As previsões, explica a Universidade de Macau, tem por base cinco cenários para outros tantos números diferentes de visitantes, indicaram numa nota de um imprensa o Centro de Estudos de Macau e o Departamento de Economia da maior das universidades do território.

Os cinco cenários nos quais se baseia o prognóstico económico presumem um número mínimo de 5,16 milhões de visitantes e máximo da ordem dos 12,66 milhões. Ainda assim, para a Universidade de Macau os cenários mais prováveis para o que resta do ano são “o primeiro, o segundo, ou uma mistura” de ambos. O segundo cenário pressupõe que Macau receba 7,92 milhões de visitantes em 2020: “Se a economia de Macau recuperar na segunda metade do ano”, o terceiro, o quarto e o quinto cenários “poderão materializar-se”, mas se a previsão for baseada no primeiro e no segundo cenários, o crescimento do Produto Interno Bruto “poderá apresentar o mesmo nível que em 2005”, refere a instituição de ensino superior.

Para os especialistas da UM, o número total de visitantes e as receitas brutas do jogo chamam a si um papel central para o crescimento económico de Macau em contexto de pandemia.

A taxa de inflação deverá subir entre 2,1 por cento e 2,2 por cento, ao passo que a taxa de desemprego para os residentes deverá fixar-se entre 5,8 por cento e 6,7 por cento. As receitas globais do Governo deverão cair entre 71,3 mil milhões de patacas e os 92,9 mil milhões, assumem os autores do relatório.

O surto epidémico do novo coronavírus compromete “principalmente o crescimento económico de Macau, com menor impacto em duas variáveis económicas fundamentais: a taxa de desemprego e a taxa de inflação”.

Apesar de a epidemia ser “um choque de curto prazo para a economia de Macau”, mas dado o impacto registado no primeiro e segundo trimestres deste ano, a taxa de crescimento económico anual sofrerá um “impacto negativo”, indicou.

O relatório da Universidade de Macau, que opera a terceira revisão das previsões macroeconómica divulgada em Janeiro, defende que o Governo deve eleger como objectivos “estabilizar o mercado de trabalho a curto prazo, impedir o encerramento de negócios e manter a confiança de produtores e consumidores de modo a promover uma recuperação económica gradual”.

Guerra comercial não ajuda

Se tal não bastasse, dada a “tensão económica entre a República Popular da China e os Estados Unidos e o abrandamento do crescimento económico chinês, a economia de Macau deverá sofrer uma nova deterioração em 2020”, sublinham os investigadores, que destacaram que os “factores positivos da recuperação económica” do território incluem o excedente fiscal da cidade, o ambiente empresarial, preços ao consumidor e taxa de emprego razoáveis.

Os investigadores alertaram que caso o panorama pandémico registe mudanças relevantes, será necessário rever as actuais previsões.

Em Maio,  Macau recebeu menos 99,5 por cento de visitantes em comparação com o período homólogo de 2019, ao passo que as receitas do jogo caíram 93,2 por cento, em relação a igual período do ano passado.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.