Coronavírus. ONU critica reforço da censura na China

A Alta Comissária da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, afirmou nesta quarta-feira que a República Popular da China e outros países asiáticos como o Camboja e as Filipinas intensificaram a “censura” desde o início da pandemia de COVID-19.

Num comunicado que detalha as acções adoptadas em vários países, Bachelet indica que na China o gabinete do Alto Comissariado recebeu informações sobre mais de uma dezena de casos de profissionais da saúde, universitários e cidadãos comuns que parecem ter sido detidos, e em alguns casos acusados, por terem tornado públicas as suas opiniões ou outras informações sobre o surto epidémico de COVID-19, ou que criticaram a resposta do governo à epidemia.

“No Bangladesh, Camboja, China, Índia, Indonésia, Malásia, Myanmar, Nepal, Filipinas, Sri Lanka, Tailândia e Vietname foram relatadas detenções de pessoas que expressaram descontentamento ou supostamente difundiram informações falsas relativas ao novo coronavírus através da imprensa ou das redes sociais”, afirma o comunicado.

A Alta Comissária disse que reconhece a necessidade de restringir a desinformação prejudicial, de forma a proteger a saúde pública ou qualquer tipo de incitação ao ódio às minorias, mas insistiu que tal não se pode tornar um padrão: “Embora os governos possam ter um interesse legítimo em controlar a divulgação de desinformação num contexto volátil e sensível, os Governos devem ser proporcionais e proteger a liberdade de expressão”, defendeu Bachelet.

“Esta crise não deve ser usada para restringir a divergência ou o livre fluxo de informação e debate”, disse, antes de insistir que “uma diversidade de pontos de vista fomentará uma maior compreensão dos desafios que enfrentamos e vai ajudar-nos a superá-los”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.