Mundo recebe 2020 por entre protestos e incêndios

O mundo entrou no novo ano com espectaculares fogos de artifício de Sydney a Tóquio, embora as celebrações na Austrália tenham sido afectadas pelos devastadores incêndios que afectam o sul do país e o clima festivo na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong e na Índia tenha sido ofuscado por protestos.

Cerca de um milhão de pessoas encheram o porto de Sydney e as zonas costeiras da maior cidade australiana para assistirem a um espectáculo de pirotecnia em que foram utilizados mais de cem mil dispositivos de fogo-de-artifício. O tradicional espectáculo de boas-vindas ao novo ano ocorreu como habitualmente, ainda que milhares de pessoas ao longo da costa leste da Austrália se tenham visto obrigadas a procurar refúgio dos nas praias da região, face aos devastadores incêndios que afectam o sudeste do país.

    Na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, milhares de pessoas receberam 2020 em passeios iluminados pelos neons do centro financeiro da antiga colónia britânica, mas a ocasião foi aproveitada por muitos para protestar. No pitoresco Victoria Harbour, centenas começaram a gritar palavras de ordem pró-democracia logo após terminada a contagem para a meia-noite.

As autoridades da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong cancelaram o principal espectáculo de fogos de artifício pela primeira vez em mais de uma década, evocando razões de segurança. Em vez do fogo-de-artifício, a baía de Victoria recebeu um espectáculo especial da “Sinfonia de Luzes”, envolvendo projecções nos arranha-céus mais altos da cidade, enquanto dispositivos de fogo-de-artifício de menor escala foram lançados dos telhados à beira-mar.

Sydney decidiu manter o espectáculo de fogo de artifício, apesar das solicitações de parte da população para que a iniciativa fosse cancelado em solidariedade com as áreas atingidas pelo fogo no estado de Nova Gales do Sul, da qual a cidade é a capital.

Em outros lugares, foliões de Auckland, na Nova Zelândia, a Pyongyang, capital da isolada Coreia do Norte, receberam o novo ano com a queima de fogo de artifício. No Japão, as pessoas revezavam-se para tocar os sinos dos principais templos budistas, de acordo com a tradição.

Hong Kong 2020. Persistir é a palavra de ordem

Em Hong Kong, cidade abalada por meses de manifestações pró-democracia o mais das vezes violentas, os manifestantes foram convidados a usar máscaras numa acção de protesto do Ano Novo intitulara “Não se esqueça de 2019, persista em 2020”, de acordo com publicações nas redes sociais.

Os protestos arrancaram em Junho em resposta a um projecto de lei, agora retirado, que permitiria a extradição de suspeitos para a República Popular da China, onde os tribunais são controlados pelo Partido Comunista, e evoluíram para um movimento pró-democracia mais amplo.

Milhares de indianos também saíram à rua para saudar o ano novo com protestos, enfurecidos por uma lei de cidadania que dizem discriminar os muçulmanos e acabar com a constituição secular da Índia.

As manifestações decorreram em Nova Deli, durante aquele que é o segundo inverno mais frio em mais de um século. Acções de protesto decorreram ainda em Bombaím e em outras cidades.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.