Hong Kong. Terceiro dia consecutivo de confrontos em centros comerciais

A polícia e os manifestantes pró-democracia em Hong Kong voltaram a entrar em confrontos, pelo terceiro dia consecutivo. Os confrontos tiveram como palco centros comerciais, espaços que são particularmente movimentados no período de festas de fim de ano.

Os manifestantes reuniram-se esta quinta-feira em diversos centros comerciais da antiga colónia britânica, onde gritaram frases hostis tanto ao Executivo liderado por Carrie Lam  como à polícia.

Num centro comercial da zona de Tai Po, no nordeste de Hong Kong, a polícia usou gás pimenta e um líquido tingido de azul, com o propósito de identificar os suspeitos. As forças da ordem investiram contra dezenas de manifestantes que estavam vestidos de preto.

A polícia efectuou ainda várias detenções. A violência diminuiu no último mês na antiga colónia britânica, que vive desde Junho uma grave crise política, a mais séria desde o regresso de Hong Kong à soberania chinesa em 1997.

Na internet, grupos de manifestantes convocaram acções contundentes durante o período de Natal e de Ano Novo, em especial nos bairros onde se concentram as grandes lojas.

Para o movimento pró-democracia esta é uma forma de perturbar a economia e de pressionar tanto Pequim como o governo local, que se recusam a fazer concessões.

Na véspera de Natal, centenas de activistas enfrentaram durante horas as forças de segurança num centro comercial de Tsim Sha Tsui, uma das zonas mais movimentadas da cidade.

A woman wearing Christmas decorations in her hair reacts to tear gas as police confront protesters on Christmas Eve in Hong Kong on Tuesday, Dec. 24, 2019. More than six months of protests have beset the city with frequent confrontations between protesters and police. (AP Photo/Kin Cheung)

Na quarta-feira foram registados confrontos na área de Mong Kong, outro ponto de comércio intenso.

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, acusou os “agitadores irresponsáveis e egoístas” de terem arruinado as festas de Natal. Hong Kong tem uma grande comunidade cristã e o Natal é uma festa importante e tradicionalmente animada para bares e outros negócios.

Os protestos tiveram um impacto negativo no turismo e na economia da vizinha Região Administrativa Especial, que entrou em recessão no terceiro trimestre pela primeira vez em 10 anos, com uma queda do PIB de 3,2 por cento. 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.