Exportação para a China vai ajudar suinicultores a atingirem a auto-suficiência

Os criadores de porcos de Portugal acreditam que a exportação para o mercado chinês irá contribuir para o crescimento da produção. Os agentes do sector perspectivam atingir a auto-suficiência para o mercado nacional até 2030, declarou esta quarta-feira o presidente da Federação das Associações de Suinicultores portugueses.

Na abertura do 9.º Congresso Nacional de Suinicultura, que decorre até ao final do dia de hoje no Cineteatro de Rio Maior, distrito de Santarém, Vítor Menino afirmou que a oportunidade de negócio criada com a exportação para “o maior importador de carne do mundo” vai obrigar a produção nacional, que actualmente satisfaz 65 por cento do consumo nacional, a crescer, contribuindo para que se atinja a auto-suficiência “no horizonte 2030”.

“Portugal precisava de uma alternativa à concentração da procura. Foi o inconformismo que nos fez ir à procura”, declarou no primeiro dia de um Congresso que tem como temas centrais as potencialidades do mercado chinês para a suinicultura portuguesa e as tendências de consumo, com destaque para a apresentação dos mais recentes estudos sobre produção de carne sintética.

Vítor Menino afirmou que este é um processo ainda “embrionário”, mas que “merece a atenção dos produtores pecuários do mundo inteiro”, por gerar polémica e por se desconhecer ainda se no futuro será um desafio para o sector.

O ministro da Agricultura, que presidiu à abertura do encontro, enquadrou a investigação sobre produção de carne sintética, actualmente em curso, no contexto da procura de alternativas para alimentos convencionais, tendo em conta o aumento da população mundial e a impossibilidade de generalizar os padrões de consumo do modelo alimentar ocidental, dando o exemplo de Portugal, em que o consumo anual de carne de porco por habitante é de 43 quilogramas.

Frisando que ainda é cedo para saber se o processo – que passa pela multiplicação de células vivas em laboratório – dará um dia resultados positivos, quer do ponto de vista organoléptico quer de custos (estima-se que a produção de um único hambúrguer atinja neste momento os 250 mil euros), Capoulas Santos afirmou que se trata de “trabalho científico a ser acompanhado”.

Durante o encontro serão ainda debatidas questões como o impacto ambiental da suinicultura ou os desafios da sucessão geracional num negócio que em Portugal se mantém eminentemente familiar.

Vítor Menino disse acreditar que a tendência de subida do preço da carne de porco, proporcionada pela entrada noutros mercados, não será “drama nenhum” para os consumidores nacionais e que permitirá, além do contributo para a balança comercial do país, obter mais valias para aplicar na melhoria do desempenho ambiental e das condições gerais das explorações, “que até aqui não havia condições financeiras para fazer”.

O presidente da federação pediu, contudo, mais “agilidade” na aprovação dos planos de gestão de efluentes e nos licenciamentos, aludindo a “interesses contrários à produção”, nomeadamente no “mundo dos adubos e dos fertilizantes sintéticos e outro tipo de investimentos” que estão “a levantar problemas”.

Para Vítor Menino, o país tem área, clima, água e saber para tornar possível a expansão da produção suinícola.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.