Washington quer ser alternativa a Pequim em África

Washington propõe-se ser uma alternativa à República Popular da China em África, com um modelo de investimento mais vantajoso para os países subsaarianos no momento de assinar contratos e parcerias, garantiu na sexta-feira o sub-secretário de Estado encarregado das questões africanas, Tibor Nagy.

“Não se trata de substituir os chineses, mas acho que África deve ter a oportunidade de escolher” os seus parceiros, disse Tibor Nagy, numa conferência de imprensa realizada na capital da República Democrática do Congo (RDCongo), Kinshasa.

Em visita oficial pela República Democrática do Congo, pelo Uganda, Ruanda e Camarões, o governante norte-americano disse que “existe um outro modelo que não causa a dívida ao país”: “O modelo chinês é: há um contrato, assina-se e nós, os países africanos, ficamos a dever cinco mil milhões de dólares (4,9 mil milhões de euros)”, disse.

O caso de uma refinaria no Uganda foi dado como exemplo pelo secretário de Estado norte-americano: “No Uganda, uma empresa norte-americana vai construir uma refinaria usando esse modelo. E o Governo ugandês está feliz porque não aumentará a sua dívida”.

As empresas norte-americanas “proporcionarão mais empregos, porque não trazem os seus próprios empregados para qualquer trabalho com qualquer qualificação”.

“Eu gostaria que essas empresas se instalassem na África, mas há outro ponto que é muito importante: as nossas empresas não são públicas”, respondeu, depois de questionado sobre uma pergunta que aludia que empresas chinesas são muitas vezes detidas a cem por cento pelo Estado.

“Não posso ordenar que uma empresa (norte-americana) vá ao Gabão ou à Zâmbia. Posso incentivá-los com muita força, mas as empresas vão onde existirem oportunidades”, concluiu Tibor Nagy.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.