Macau preparado para impacto da guerra comercial, assegura Chui Sai On

O Chefe do Executivo disse esta sexta-feira que o território está preparado para o impacto da guerra comercial entre Pequim e Washington, com a adopção de medidas preventivas e o reforço da cooperação com o interior da China.

Chui Sai On garantiu que o Governo está atento às previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) que estima um abrandamento do crescimento da economia mundial caso persista a disputa comercial entre a República Popular da China e os Estados Unidos da América, garantindo que o território está a adoptar “uma estratégia de investimento defensivo”.

O governante lembrou que a maioria dos visitantes é oriunda do Continente, destacando, por isso, a importância da entrada em funcionamento da maior travessia marítima do mundo que liga Macau à província chinesa de Guagdong (através de Zhuhai) e a Hong Kong para reforçar o fluxo turístico, sobretudo para o turismo do jogo: “O Governo tem um plano para garantir a competitividade do jogo e do turismo”, assegurou durante uma sessão plenária na Assembleia Legislativa que serviu para responder às perguntas dos deputados sobre as Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2019, ontem apresentadas na Assembleia Legislativa.

Chui Sai On afirmou ainda que está a ser realizada uma aposta na diversificação na oferta turística, em especial na área de convenções e exposições, algo que pode ser potenciado com a mega ponte inaugurada no final de Outubro.

O chefe do Governo de Macau também prometeu aumentar o apoio às empresas para que estas reforcem a sua competitividade em projectos como o da futura metrópole mundial que inclui Hong Kong e cidades do interior da China.

O projecto da Grande Baía, que visa criar uma metrópole mundial a partir dos territórios de Hong Kong, Macau e nove cidades da província chinesa de Guangdong (Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing), com mais de 60 milhões de habitantes, foi o ponto mais focado na sessão da Assembleia Legislativa.

Fernando Chui Sai On sublinhou a importância das pequenas e médias empresas de Macau em assumirem o desafio da competitividade face ao desenvolvimento das cidades do Continente e admitiu a necessidade de se reforçar o apoio a projectos de inovação e empreendedorismo, sobretudo junto dos mais jovens.

O governante alertou, contudo, que os empresários têm de ser capazes de enfrentar os riscos associados ao empreendedorismo: “Os jovens precisam de mais apoios da nossa parte”, assumiu, defendendo que a inovação e o empreendedorismo exigem “um suporte sistemático”, um dia depois do Governo ter anunciado novas medidas de benefícios fiscais nas LAG para 2019, de forma a favorecer, por exemplo, as empresas de Macau que apostem em projectos inovadores de investigação e desenvolvimento.

O chefe do Governo deu a a conhecer as LAG aos deputados da Assembleia Legislativa na quinta-feira. O Governo prevê uma despesa na ordem dos 13,4 mil milhões de euros (122,4 mil milhões de patacas) em 2019, no ano em que se assinalam os 20 anos do regresso de Macau à administração chinesa.

O Governo calculou que as subvenções e comparticipações tenham um custo na ordem dos 18,8 mil milhões de patacas e prevê deixar de arrecadar receitas fiscais no valor aproximado de 4,2 mil milhões de patacas com a aplicação das várias medidas de isenção, redução de taxas e impostos e de devolução de imposto.

O ‘programa de Governo’ inclui ainda diversas referências aos esforços de cooperação regional concertados com a estratégia nacional, com especial destaque para a articulação com as cidades envolvidas no projeto da Grande Baía em áreas como os transportes, segurança, educação, bem como nas áreas jurídicas e culturais.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.