“This is My City” propõe intercâmbios criativos entre Macau, a China e São Paulo

Fotografia: A banda chinesa Re-TROS é um dos destaques da edição de 2018 do Festival.

Zhuhai e São Paulo estreiam-se no programa do festival que se propõe ajudar a projectar as indústrias criativas chinesas. A banda de pós-punk chinês Re-TROS é um dos destaques do cartaz, que integra também os chineses Wang Wen, Pet Conspiracy e Wu Tiao Ren, os Afro Bailes do projecto lusófono Celeste Mariposa, o português DJ Kitten (João Vieira) e a banda de Macau Forget the G.

O festival multidisciplinar de Macau “This is my City” viaja este mês a Zhuhai e Shenzhen, na República Popular da China, antes de se estrear do outro lado do mundo, em São Paulo, onde quer ajudar a projectar as indústrias criativas chinesas.

“Por todo este posicionamento que a China tem no mundo, as pessoas querem saber, querem envolver-se (…) Acreditamos que o festival pode ajudar no esclarecimento e na promoção daquilo que se está a passar deste lado”, disse à Lusa um dos fundadores e mentor do projecto, Manuel Correia da Silva.

O evento dedicado às indústrias criativas nasceu em Macau, em 2006, mas redesenhou-se anos depois, com “pequenas acções em Portugal”. Ali, nomeadamente com o “festival irmão” – Lisbon International Music Network (MIL) – foi testada “a equipa e a logística de produzir fora de Macau”, lembrou o designer.

Assim, e depois de representações em solo luso, o festival estendeu-se pela primeira vez a Shenzhen, em 2017, até onde levou a cultura lusófona. Este ano, alarga-se a Zhuhai, também na região do Delta das Pérolas, e a São Paulo, onde esperar projectar a cultura chinesa.

O festival foca-se na música mais independente, sublinhou o designer, acrescentando: “Não estamos a trabalhar para música ‘pop’ ou ‘mainstream’, estamos a trabalhar, sobretudo, com artistas emergentes da China”.

Este ano, a banda de pós-punk chinês Re-TROS é um dos destaques do cartaz, que integra também os chineses Wang Wen, Pet Conspiracy e Wu Tiao Ren, os Afro Bailes do projecto lusófono Celeste Mariposa, o português DJ Kitten (João Vieira) e a banda de Macau Forget the G.

“Tem de haver outro tipo de ‘mindset’, outro tipo de programação, para as diferentes cidades onde vamos. Isso caracteriza aquilo que nós chamamos um ‘tour’ festival (…) Não dá para fazer uma ação ‘copy-paste’, isto não é um ‘franchise’”, frisou o responsável.

Com estatuto cada vez mais global, o “This is my City – Global Creative Network” quer também pôr em contacto indústrias criativas e desenvolver a rede que dá nome ao festival: “A Global Creative Network é, na verdade, aquilo que sustenta o festival e que acontece durante todo o ano. Essa rede é alimentada e trabalhada durante o ano inteiro. O festival é apenas uma representação física, é uma experiência que nós desenhámos para podermos usufruir e partilhar essa rede”, destacou.

Entre 22 e 25 de Novembro, o evento leva artistas e projectos chineses e lusófonos a Macau, a Zhuhai e Shenzhen, cidades vizinhas do antigo enclave português e de Hong Kong.

Pouco depois, entre 5 e 9 de Dezembro, aterra em São Paulo, no Brasil, no âmbito da Semana Internacional de Música de São Paulo, “o maior evento ligado à indústria da música da América Latina, onde nunca houve participações chinesas”, realçou o organizador.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.