Catarina Brites Soares venceu Prémio de Jornalismo da Lusofonia

A jornalista do semanário Plataforma conquistou a segunda edição do galardão com o artigo “Ler Sem Limites”. Na categoria de “Ensaio”, pela primeira vez atribuída, o júri distinguiu António Aresta por “Miguel Torga: um poeta português em Macau”.

O trabalho “Ler sem limites”, da jornalista Catarina Brites Soares, so semanário Plataforma, venceu o Prémio de Jornalismo da Lusofonia, foi esta sexta-feira anunciado.

O “texto publicado no semanário Plataforma desenha uma panorâmica das leituras mais frequentes” na cidade, “com um levantamento de livros e autores que circulam livremente no território, incluindo alguns que, por diferentes razões, têm limites de acesso fora” da Região Administrativa Especial chinesa, indicou a nota do júri do prémio criado pelo Clube Português de Imprensa (CPI) e o jornal Tribuna de Macau (JTM). O Plataforma Macau é um semanário publicado em português e chinês.

Na categoria Ensaio, atribuída este ano pela primeira vez, foi distinguido o ensaio do historiador António Aresta, de Macau, intitulado “Miguel Torga: um poeta português em Macau”. O trabalho “condensa o imaginário de Miguel Torga, no seu primeiro e único contacto com o território de Macau, cruzando-o com outras referências da época”, referiu. O júri salientou ainda “o sentido da portugalidade sempre implícito na divulgação de Macau por Torga”.

Presidido por Dinis de Abreu, em representação do Clube Português de Imprensa (CPI), o júri integrou José Rocha Diniz, ex-director e administrador do Jornal Tribuna de Macau (JTM), José Carlos de Vasconcelos, director do Jornal de Letras, Carlos Magno, em representação da Fundação Jorge Álvares e José António Silva Pires, do CPI.

Os dois prémios, cada um no valor de cinco mil euros, distinguem trabalhos originais em língua portuguesa sobre Macau.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.