Empresas esperam maior volume de negócios com abertura da Ponte do Delta

Para os empresários de Macau e da vizinha cidade continental de Zhuhai, a abertura da Ponte do Delta deverá ser sinónimo de maiores oportunidades de negócio, disseram hoje à agência Lusa homens de negócios de ambas as cidades. A Travessia do Delta vai ser inaugurada na próxima terça-feira, 23 de Outubro.

Responsáveis de pequenas e médias empresas de Macau e da cidade chinesa de Zhuhai disseram esta quinta-feira à agência Lusa que esperam garantir mais negócios com a abertura da maior travessia marítima do mundo. A Travessia do Delta é inaugurada a 23 de Outubro e vai ligar o território e a vizinha cidade continental à Região Administrativa Especial de Hong Kong.

Com a abertura agendada para terça-feira, a ponte é um marco do projecto de integração regional da Grande Baía, que visa criar uma metrópole mundial a partir dos territórios de Hong Kong, Macau e nove localidades da província chinesa de Guangdong: Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing.

“Vai ser mais fácil para nós em termos logísticos, tanto na relação com Hong Kong como com a China [continental]”, defendeu a responsável pela Refresh Moment, Joyce Fong.

“Esperamos mais negócios e oportunidades quando a ponte abrir”, indicou a proprietária da empresa de Macau, até porque “vai ser possível ir mais vezes lá porque fica tudo mais perto”, sobretudo Hong Kong para onde estão a tentar expandir a actividade.

Já a responsável pela San Meng, uma empresa de tecnologia de Macau no sector turístico e cultural, destacou que “vai ser mais fácil e mais rápido” chegar ao mercado também da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, o que considerou ser vital para o crescimento da companhia. Phoenix Wong disse acreditar que, com a nova ponte, Macau será um dos territórios mais beneficiados, em especial na capacidade de atracção de turistas

Do lado da China continental, mais propriamente da cidade de Zhuhai, o proprietário da Hengqin Finantial Investment Group destacou “a grande importância da infraestrutura”: “Mais dinheiro, pessoas e produtos na Grande Baía” vão, por sua vez, criar a oportunidade de “desenvolver grandes companhias e mais oportunidades para uma maior cooperação”, argumentou o empresário.

Já o coordenador de Comunicação e Marketing do Instituto Internacional de Macau, António Monteiro, disse à agência Lusa que era crucial ser realizado um esforço por parte das autoridades “em apostar na promoção” de um projetco, como é o caso da Grande Baía, sobretudo quando pode estar em causa uma oportunidade para eventuais investidores lusófonos.

A ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau vai abrir na próxima terça-feira numa cerimónia realizada Zhuhai, que deve trazer à vizinha cidade continental o presidente chinês, Xi Jinping. As autoridades de Hong Kong, Macau e Zhuhai realizaram, no final do mês passado, três dias de testes na ponte, cujos resultados foram enviados para Pequim com o objecto de determinar em que data deveria ser inauguração.

A estrutura principal mede 29,6 quilómetros, com uma secção sob tabuleiro de 22,9 quilómetros e um túnel subaquático de 6,7 quilómetros, numa extensão total de 55 quilómetros.

A construção começou em 2011 e previa-se a abertura para 2016, mas vários problemas, como acidentes de trabalho, uma investigação de corrupção, obstáculos técnicos e derrapagens orçamentais obrigaram a um adiamento da inauguração.

A ponte, que não vai ser de livre circulação e está sujeita a quotas, custou aos três governos cerca de 1,9 mil milhões de euros, de acordo com o jornal South China Morning Post.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.