“Isto já é uma tragédia, mas pode ser pior”

As autoridades indonésias reviram este domingo o balanço do impacto dos desastres naturais que abalaram na sexta-feira a região oeste da ilha de Sulawesi. O Governo de Jakarta já contabilizou 832 vítimas mortais, mas o número poderá ser superior, até porque escasseia a informação sobre o impacto do maremoto em Dongalla.

O número de mortos na sequência dos terremotos e do tsunami que abalaram na sexta-feira a ilha de Sulawesi, na Indonésia, subiu para 832, de acordo com um novo balanço divulgado este domingo pelas autoridades locais.

De acordo com o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres, Sutopo Purwo Nugroho, o número de mortos na sequência da catástrofe foi revisto, sendo que estão já contabilizadas 832 vítimas mortais. A maior parte das mortes registou-se em Palu, cidade com cerca de 350.000 habitantes na costa oeste de Celebes, havendo também registo de mortes (11) em Dongalla.

No entanto, a Cruz Vermelha Internacional já alertou que há pouca informação sobre Donggala, cidade de difícil acesso, afirmando ser “extremamente preocupante”: “Isto já é uma tragédia, mas pode ser pior”, lê-se num comunicado divulgado por aquela organização.

As falhas nas comunicações têm dificultado os trabalhos das equipas de busca e salvamento no terreno, mas as agências internacionais falam em centenas de feridos a receber tratamento médico em tendas improvisadas no exterior das unidades hospitalares.

As autoridades indonésias reabriram este domingo o aeroporto de Palu, o que vai acelerar a chegada de ajuda humanitária. Os voos comerciais serão limitados e as operações de emergência e de ajuda humanitária terão prioridade, num momento em que os dados oficiais apontam também para mais de meio milhar de feridos e mais de 16 mil deslocados.

Entretanto, o Presidente da Indonésia, Joko Widodo, já chegou a Palu, onde visitou a área mais afectada pelo tsunami.

A Força Aérea da Indonésia vai enviar dezenas de aviões Hercules, quatro aeronaves Boeing 737, cinco CN 295, duas aeronaves CN 235 e vários helicópteros para reforçarem o apoio às operações de resgate, humanitárias, nas evacuações e na logística.

O Ministério da Saúde está a organizar a chegada de pessoal e suprimentos médicos a Palu e a Donggala. Fontes no terreno já apontaram a carência de especialistas em ortopedia, de cirurgiões gerais, neurocirurgiões, anestesistas e enfermeiros.

O Ministério dos Assuntos Sociais enviou para Palu seis cozinhas públicas com capacidade para preparar 36 mil refeições diárias. As autoridades, para conterem os casos de roubo e pilhagem em Palu, autorizaram as vítimas a obter provisões em determinados negócios dirigidos pelo Estado.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.