Clima. Dióxido de carbono na atmosfera voltou a bater recordes

No mês de Maio, nos níveis de dióxido de carbono na atmosfera voltaram a bater recordes, de acordo com os dados esta quinta-feira divulgados pela agência dos Estados Unidos da América para o Oceano e a Atmosfera. Durante o último ano, a taxa de crescimento do dióxido de carbono foi um pouco menor, mas continua muito acima da registada na década de 90.

A quantidade de dióxido de carbono na atmosfera tornou a atingir um novo máximo este ano, alertaram cientistas na quinta-feira.

A agência dos Estados Unidos da América para o Oceano e a Atmosfera (NOAA, na sigla em inglês) adiantou na quinta-feira que os níveis de dióxido de carbono atingiram as 411,25 partes por milhão em Maio, no observatório federal instalado em Mauna Loa, no Estado do Havai. O valor está acima dos 409,65 registados há um ano.

A Instituição Scripps de Oceanografia, a primeira a dar conta da concentração deste gás na atmosfera, apurou um aumento similar. Maio é tradicionalmente o mês com os níveis mais elevados de dióxido de carbono, uma vez que, no final da Primavera e durante o Verão, as plantas têm menor capacidade de absorção, em termos líquidos, de dióxido de carbono.

A quantidade de dióxido de carbono na atmosfera cresceu cerca de 26 por cento em 50 anos. A queima de carvão, gás e petróleo emite dióxido de carbono, que é um dos principais gases com efeito de estufa.

O chefe do serviço de monitorização destes gases na NOAA, Pieter Tans, disse que a taxa de crescimento no último ano foi um pouco menor do que nos anos mais recentes, mas muito acima da dos anos de 1990: “As emissões que estamos a provocar hoje vão continuar no sistema atmosfera-oceano durante milhares de anos, a partir de agora”, afirmou Tans.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.