Direitos humanos. Jornais suecos pedem libertação de Gui Minhai

Trinta e sete jornais e publicações suecas assinaram um manifesto conjunto em que é exigida a libertação de Gui Minhai. O livreiro, que tem nacionalidade sueca, voltou a ser detido pelas autoridades chinesas no início do ano. O texto foi assinado por académicos, editores, jornalistas, políticos e actores.

Dezenas de jornais e publicações suecas pediram à China que liberte o editor sueco de origem chinesa Gui Minhai, preso no início do ano enquanto viajava com dois diplomatas do país escandinavo.

Gui Minhai, de 54 anos e que publicou livros em Hong Kong que ridicularizavam o regime comunista, foi preso em 20 de Janeiro numa viagem de comboio entre Ningbo e Pequim, cidade para onde se dirigia para uma consulta médica na embaixada. O livreiro teme ter esclerose lateral amiotrófica (ELA) ou doença de Charcot.

“A acção das autoridades chinesas contra Gui Minhai viola todos os princípios fundamentais do Direito, e constitui uma violação grave dos direitos humanos”, denuncia a carta publicada por 37 jornais, entre os quais estão os diários Svenska Dagbladet e Dagens Nyheter.

O texto foi assinado por académicos, editores, jornalistas, políticos e actores: “Sabendo que o dia nacional da Suécia é amanhã (quarta-feira, 6 de Junho), pedimos às autoridades chinesas que libertem imediatamente Gui Minhai”, apela o manifesto.

“A China é uma superpotência com vasta influência económica, política e cultural sobre o resto do mundo, e os seus líderes em Pequim deixaram claro que estão prontos para desempenhar um papel de liderança no mundo”, acrescentam os signatários, sublinhando que as acções contra Gui Minhai entram “em flagrante contradição” com as declarações dos dirigentes chineses.

Em 2015 Gui Minhai já tinha desaparecido, a exemplo do que sucedeu com quatro outras pessoas. O livreiro desapareceu na Tailândia, antes de reaparecer num centro de detenções chinês e “confessar” o seu envolvimento num acidente rodoviário ocorrido vários anos antes.

As autoridades chinesas garantiram que o libertaram em Outubro de 2017, mas de acordo com a sua filha, Angela Gui, citada pela agência France-Presse, Gui Minhai estava em prisão domiciliaria na cidade de Ningbo, onde ainda vivem alguns de seus parentes.

Após o segundo desaparecimento, Gui apareceu numa entrevista em vídeo, divulgada em Fevereiro, confessando os seus erros e acusando o próprio país adoptivo – a Suécia – de o manipular como “um peão”.

A repressão aumentou na República Popular da China desde que o Presidente Xi Jinping assumiu o cargo em 2012, com a detenção de centenas de advogados e activistas dos direitos humanos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.