Parlamento birmanês elege na quarta-feira novo Chefe de Estado

O anterior titular do cargo, Htin Kyaw, demitiu-se na semana passada por razões de saúde. Win Myint, que na sexta-feira renunciou à presidência da câmara baixa do Parlamento, é o favorito, numa corrida que conta estatutariamente com dois outros candidatos.

O parlamento do Myanmar vai eleger depois de amanhã um novo Chefe de Estado, depois do antigo Presidente, Htin Kyaw, ter renunciado ao cargo por motivos de saúde.

O favorito para o cargo é Win Myint, que renunciou à presidência da câmara baixa da Assembleia da República birmanesa, tendo sido nomeado na sexta-feira por essa mesma instância candidato a chefe de Estado. À votação também se apresentará o vice-presidente e atual presidente em exercício, Myint Swe, e o segundo vice-presidente, Henry Van Thio.

Win Myint, de 67 anos, é representante político da última junta militar e veterano da Liga Nacional para a Democracia (NLD), o partido que tem o apoio da líder do governo, Aung San Suu Kyi.

A Constituição birmanesa prevê que o presidente do país seja escolhido entre três candidatos propostos pela câmara alta e baixa do parlamento, e o exército, respectivamente, em votação conjunta da legislatura. Os dois candidatos derrotados são automaticamente nomeados vice-presidentes.

O novo presidente substituirá Htin Kyaw, de 71 anos, que renunciou na quarta-feira passada, depois de o Governo ter admitido que o chefe de Estado viajou várias vezes para o exterior para se submeter a tratamento médico.

A Birmânia teve o seu primeiro governo democraticamente eleito – o actual liderado pelo NLD – a 30 de Março de 2016, após quase meio século de ditadura militar.

A última junta militar foi dissolvida em 2011 e transferiu o poder para um governo civil formado por ex-generais, que foi substituído pelo executivo da NLD após a vitória dessa formação nas eleições de 2015.

A Constituição birmanesa reserva amplos poderes para as Forças Armadas, incluindo um quarto das cadeiras do Parlamento e ministérios chave como o Interior, Defesa e Fronteiras.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.