“Pequim sabe qual é o sistema que deve vigorar em Macau”, defende Santos Silva

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Governo de Lisboa comentou esta sexta-feira, em Lisboa, a polémica que rodeia a organização da edição de 2018 do Festival Literário Rota das Letras. O responsável pela diplomacia do Executivo de Lisboa mostra-se seguro de que “a China sabe qual é o sistema que deve vigorar” no território.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo português, Augusto Santos Silva, defendeu esta sexta-feira que “a República Popular da China sabe qual é o sistema que deve vigorar em Macau”, comentando a polémica que levou a organização do Festival Literário de Macau a retirar o convite que tinha dirigido a três escritores para que participassem no certame.

Confrontado com a polémica, o titular da pasta da diplomacia do Executivo de Lisboa, Santos Silva recordou que os termos da passagem de soberania de Macau para a República Popular da China “são muito claros”: “Os termos são muito claros, e foram acordados entre Portugal e a China para a passagem de Macau para a plena soberania chinesa; seguem estritamente o princípio ‘Um país, Dois sistemas’. Todos os nossos amigos chineses sabem bem qual é o sistema que deve vigorar em Macau”, disse o chefe da diplomacia portuguesa aos jornalistas, à margem de uma conferência sobre a Nova Rota da Seda, que decorre esta sexta-feira no ISEG, em Lisboa.

A organização da Rota das Letras cancelou no princípio deste mês os convites a escritores por temer que sejam barrados à entrada, mas as autoridades de segurança pública afirmaram à agência Lusa desconhecer a situação: “Fomos informados oficiosamente de que não era oportuna a vinda de três escritores convidados ao território, não estando assegurada a sua entrada em Macau”, afirmou o diretor de programação do festival, através de contacto telefónico.

Hélder Beja referia-se ao antigo agente dos serviços secretos norte-americanos (CIA) James Church, à sino-britânica Jung Chang e à coreana-norte-americana Suki Kim. Confrontadas com estas declarações, as autoridades de segurança pública de Macau disseram à Lusa: “Desconhecemos essa informação”.

“Nestas condições, não quisemos colocar os escritores na situação de não conseguirem entrar em Macau e decidimos cancelar o convite”, disse Hélder Beja no princípio de Março, poucos dias antes de ter anunciado a sua demissão do cargo.

Jung Chang é a autora de “Cisnes Selvagens-Três filhas da China”, obra traduzida em mais de 40 idiomas, Suki Kim passou seis meses infiltrada na Coreia do Norte, e James Church é escritor de romances policiais.

Além destes três escritores, também a dissidente e activista dos direitos humanos norte-coreana Hyeonseo Lee, que fugiu da Coreia do Norte em 1997, com 17 anos, cancelou a presença no Festival Literário de Macau–Rota das Letras, “por motivos de ordem pessoal”, de acordo com um comunicado da organização, divulgado previamente.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.