Camboja: Britânico condenado a um ano de prisão por “dança pornográfica”

Daniel Jones, de 31 anos, fazia parte de um grupo de estrangeiros que foi detido em Siem Reap por dançar em trajes menores e simular actos sexuais. O britânico, que se encontrava preso desde Janeiro, foi condenado a um ano de prisão com dez meses de pena suspensa e deve regressar ao Reino Unido já esta quarta-feira.

Um cidadão britânico foi esta terça-feira condenado a um ano de prisão com dez meses de pena suspensa depois de ter sido considerado culpado de conduta inapropriada e da produção premeditada de conteúdos pornográficos.

Daniel Jones, de 31 anos, foi detido em Janeiro em Siem Reap, a cidade que funciona como porta de entrada para os templos de Angkor, sob a acusação de se entregar em plena rua a “cânticos e coreografias” tidos pelas autoridades cambojanas como pornográficos.

Siem Reap é a cidade que serve de entrada ao complexo de templos de Angkor.

Jones foi detido a 25 de Janeiro na companhia de nove outros cidadãos estrangeiros, mas foi o único a ter que responder em tribunal. Quando foi detido, o grupo estaria a dançar em plena rua munido apenas de roupa interior e trajes menores.

Durante o processo, que hoje terminou em Seam Reap, Daniel Jones pediu desculpa por ter ofendido os cambojanos, mas lembrou que os acusados nem praticaram relações sexuais, nem se despiram integralmente.

O Ministério Público cambojano defendeu em tribunal que o grupo difundiu através da Internet “fotos pornográficas” e procurou convencer o colectivo de juízes que tais actividades constituem um atentado à moral e à tradição dos cambojanos. O caso, alegava a procuradoria cambojana, era tanto mais grave quanto o facto dos actos terem sido cometidos nas proximidades de Angkor Wat, um local considerado sagrado pela população do Camboja.

A polícia do país difundiu fotos em que casais simulavam alegadamente actos e comportamentos de natureza sexual. As autoridades cambojanas têm tentado, ao longo dos últimos anos, incutir nos turistas que visitam o país uma cultura de respeito, sobretudo quando o que está em causa são antigos complexos religiosos como Angkor Wat.

Em Janeiro de 2015, três turistas franceses e duas irmãs norte-americanas foram expulsos do Camboja depois de terem tirado fotografias completamente nus num dos templos do complexo. Na altura, foram condenados a seis meses de prisão com pena suspensa e impedidos de regressar ao Camboja por um período de quatro anos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.