Partículas de plástico encontradas em água engarrafada

Resíduos de polipropileno, de nylon e de politereftalato de etileno foram encontradas em mais de duas centenas de marcas de água engarrafada.Os efeitos das substâncias sobre a saúde humana são ainda amplamente desconhecidos. Nem as águas mais chics escapam.

Á água engarrafada de numerosas grandes marcas um pouco por todo o mundo está contaminada como partículas minúsculas de plásticos cujos efeitos sobre a saúde humana são ainda amplamente desconhecidos, indica um estudo recentemente publicado.

Liderados por Sherri Mason, cientista da Universidade do Estado de Nova Iorque, uma equipa de investigadores testaram a água de mais de 250 marcas num total de nove países, entre os quais pontificam o Líbano, a Índia ou os Estados Unidos da América. Um resumo das conclusões a que os investigadores chegaram foi publicado na plataforma mediática Orb Media.

Micropartículas de plástico foram encontradas em 93 por cento das amostras de água engarrafada testadas pela equipa responsável pelo estudo. Entre as marcas analisadas estão algumas com grande difusão internacional como a Aqua, Aquafina, Dasani, Evian, Nestle Pure Life ou San Pellegrino. As substâncias detectadas tratam-se de polipropileno, de nylon

e de politereftalato de etileno, substância também conhecida por PET. Em média, os investigadores encontraram, em cada litro de água 10,4 partículas com um tamanho de sensivelmente 0,10 milimetros.

Creio que estas substâncias têm origem no processo de engarrafamento. Parece-me que a maior parte do plástico é proveniente da própria garrafa, da rolha e do processo industrial de engarrafamento”, explicou Sherri Mason, em delcarações à agência AFP. “Também detectamos microplásticos na água das garrafas em vidro”, assinala ainda a coordenadora do estudo.

Água da torneira não é excepção

Um outro estudo, também disponibilizado através da plataforma Orb Media, demonstrava que pequenas partículas de plástico estavam igualmente presentes, ainda que em menor quantidade, na água da torneira. O impacto e os riscos que tais partículas podem representar para a saúde humana ainda estão por estudar.

Jacqueline Savitz, responsável pela organização não governamental Oceana para a América do Norte, uma entidade que luta contra a poluição marítima, defende que as conclusões de ambos os estudos oferecem uma razão mais para que a produção e a comercialização de garrafas de plástico sejam limitadas ou mesmo proibidas: “É mais urgente do que nunca fazer com que as garrafas de plástico se tornem numa coisa do passado”, defendeu Savitz, sublinhando que a Oceana não participou, nem foi consultada em relação ao estudo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.