Consulado de Portugal em Cantão deverá abrir portas “muito em breve”

A garantia é dada por André Sobral Cordeiro, diplomata que já apresentou credenciais junto das autoridades chinesas e que vai ser o responsável pela representação diplomática na capital da vizinha província de Cantão.

Portugal terá dentro de “muito em breve” uma presença reforçada na República Popular da China com a abertura de um consulado em Cantão, a capital da vizinha província continental de Guangdong, disse à agência Lusa o cônsul, André Sobral Cordeiro.

“Está para muito breve”, afirmou o diplomata, que já apresentou as credenciais junto das autoridades chinesas e aguarda agora a conclusão das obras para inaugurar as novas instalações: “Mais dia, menos dia, inauguramos as instalações, dependemos apenas da conclusão das obras, que estão a avançar a bom ritmo”, detalhou Sobral Cordeiro.

Trata-se do terceiro consulado de Portugal na China continental, depois de Pequim e Xangai, e terá como área de jurisdição as províncias de Guangdong, Hainan, Hunan, Fujian e a Região Autónoma de Guangxi.

Com quase 110 milhões de habitantes e localizada a 150 quilómetros de Macau, Cantão é a capital da província de Guandong, a província chinesa que mais exporta e a primeira a beneficiar da política de Reforma e Abertura adoptada pelo país no final dos anos 1970, contando com três das seis Zonas Económicas Especiais da China: Shenzhen, Shantou e Zhuhai.

Foi também ali que, em 1513, os portugueses se tornaram os primeiros europeus a chegar à China pela via marítima, numa frota comandada pelo explorador Jorge Álvares. Em 1517, o diplomata português Tomé Pires chegou a Cantão, enviado pelo rei de Portugal, tornando-se o primeiro chefe de uma missão diplomática de uma nação europeia no país asiático.

Portugal conta ainda com nove centros de emissão de vistos na China, distribuídos pelas cidades de Pequim, Xangai, Hangzhou, Nanjing, Chengdu, Shenyang, Wuhan, Fuzhou e Cantão, e um consulado-geral em Macau.

A abertura do novo consulado surge numa altura em que as relações entre os dois países atravessam uma “era dourada”, de acordo com as autoridades de ambos os lados.

Segunda maior economia mundial, a seguir aos Estados Unidos, a República Popular da China tornou-se, nos últimos anos, um dos principais investidores em Portugal, comprando participações em grandes empresas das áreas da energia, seguros, saúde e banca, enquanto centenas de particulares chineses compraram casa em Portugal através da política de atribuição de vistos ‘gold’.

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7 por cento, para 256.735, segundo dados oficiais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.