Radiotelescópio chinês descobriu onze novos pulsares em dezoito meses de operações

No período de um ano e meio, o maior radiotelescópio do mundo identificou 51 pulsares, onze dos quais não tinham sido localizados anteriormente. Situada na província continental de Guizhou, a estrutura tem um tamanho equivalente a 30 campos de futebol.

O maior radiotelescópio do mundo, denominado FAST e situado na província continental de Guizhou, descobriu onze novos pulsares desde que entrou em funcionamento em Outubro de 2016, informou esta terça-feira a rede de observatórios astronómicos da República Popular da China.

Em ano e meio, o FAST identificou 51 estrelas com comportamento de pulsar, ou seja, astros de neutrões que giram a grande velocidade e emitem feixes periódicos de radiação eletromagnética. Onze deles foram confirmados como objectos que eram até agora desconhecidos por observatórios de outros países.

Zhang Pei, cientista da rede de observatórios da República Popular da China, defendeu em declarações à agência oficial Xinhua que estes pulsares podem ter uma grande utilidade, substituindo os satélites de navegação como ferramentas para a localização de aparatos espaciais.

Estes corpos celestes também estão a ser estudados com o objetivo de confirmar a radiação gravitacional e investigar o comportamento dos buracos negros para resolver os grandes dilemas da astrofísica que ainda permanecem sem resposta.

Com um diâmetro de meio quilómetro, que forma um disco parabólico com uma dimensão similar a 30 campos de futebol, o FAST (siglas em inglês de Telescópio de Abertura Esférica de Quinhentos Metros) transformou-se num dos principais motivos de orgulho do programa de exploração espacial chinês.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.