Manila faz apreensão recorde de espécies ameaçadas

O petauro-do-açúcar é originário da Papua-Nova Guiné e da Austrália.

Entre os animais apreendidos estavam petauros-do-açúcar, wallabies, aves-do-paraíso ou catatuas das Molucas. O lote valia qualquer coisa como 192 mil dólares no mercado-negro.

As autoridades filipinas apreenderam na terça-feira cerca de três centenenas de animais exóticos, alguns de espécies ameaçadas, que foram introduzidos no arquipélago de forma ilegal. A apreensão é uma das mais importantes alguma vez conduzidas no país, considerado por muitos especialistas como uma placa giratória no que toca às incidências do tráfico de espécies ameaçadas no Continente Asiático.

Vários exemplares de petauros-do-açúcar – pequenos marsupiais originários da Austrália e da Nova Guiné – wallabies e uma espécie ameaçada de catatua figuravam no lote ontem apreendido. Os animais eram oriundos da Austrália, da Indonésia e da Papua-Nova Guiné e deviam ser vendidos em vários mercados do Continente asiático com o propósito de se tornarem animais de estimação “No que diz respeito a uma apreensão de animais vivos, tratou-se provavelmente de uma das significativas alguma vez feitas”, disse à agência AFP o responsável do Governo filipino pela pasta do Ambiente, Rogelio Demelletes.

As autoridades de Manila estimam que o valor de mercado dos animais apreendidos rondará os 192 mil dólares norte-americanos, valor que supera em muito o valor dos exemplares de espécies ameaçadas apreendidos durante todo o ano passado pelo Executivo das Filipinas.

Entre os animais apreendidos constam também sete exemplares da ave-do-paraíso vermelha e 26 catatuas das Molucas, espécies que a União Internacional para a Conservação da Natureza considera ameaçadas de extinção.

As autoridades do arquipélago detiveram ainda quatro suspeitos, que arriscam agora ser condenados a doze anos de prisão por se prepararem para introduzir no mercado espécies em risco crítico de extinção. As Filipinas têm uma das leis mais severas do Sudeste Asiático no que diz respeito à protecção de espécies ameaçadas, mas nem o rigor da legislação parece ter força para travar o comércio ilegal de animais selvagens, um expediente que se faz cada vez mais através da Internet.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.