Banda desenhada. Michel Vaillant regressa às curvas e contra-curvas da Guia

A nova aventura de Michel Vaillant no território deverá ser lançada em Novembro, por ocasião da 65.ª edição do Grande Prémio de Macau.

Trinta e cinco anos após o lançamento de “Rendez-vous à Macao”, a carismática personagem de banda desenhada regressa ao Circuito da Guia. A nova aventura de Michel Vaillant no território deve ser lançada em Novembro, por ocasião da 65.ª edição do Grande Prémio de Macau.

O autor francês Philippe Graton anunciou esta quarta-feira que vai lançar, por altura da 65.ª edição do Grande Prémio de Macau, uma nova aventura de Michel Vaillant nas curvas e contra-curvas do Circuito da Guia, 35 anos depois do álbum de banda desenhada “Rendez-vous à Macao” ter sido lançado.

“Em Novembro passado, durante o Grande Prémio de Macau, estivemos aqui a reunir documentação para a história. Ficção e realidade vão tocar-se aqui, o que é muito interessante e inovador para os artistas e escritores”, afirmou o filho de Jean Graton, responsável pelo argumento juntamente com Denis Lapière. Os desenhos do novo álbum são da responsabilidade de Benjamin Bénéteau.

“Estou muito contente por ver que o Michel Valliant continua a despertar interesse, mais de 60 anos depois”, sublinhou Graton sobre a personagem e série criada em 1957 pelo seu pai.

O autor explicou que há cinco anos recomeçou a série iniciada pelo progenitor, com uma nova imagem e novas narrativas: “Chamo-lhe uma nova temporada de Michel Vaillant e o sétimo episódio vai ser em Macau”, disse, citado pelo Diário de Notícias, que por sua vez cita a agência Lusa.

Sem querer desvendar o enredo, Philippe Graton esclarece que a história vai passar-se não só no traçado da Guia, mas também na cidade, propriamente dita. Elementos como a arquitectura e gastronomia marcam presença, bem como às pequenas ruas mais escondidas, “que não são cartões de visita [da cidade], mas onde nem se sabe se se trata de Macau ou de Portugal”.

“O projecto começou a ser desenvolvido no ano passado, quando vim participar no festival literário de Macau e o [director] Ricardo Pinto sugeriu a ideia”, disse.

O álbum vai ser publicado em francês, inglês e português. “Depois do mercado francófono, o mercado mais entusiástico é Portugal”, explicou. “Estamos a tentar encontrar um parceiro para a China”, para a tradução em chinês simplificado e tradicional, acrescentou Philippe Graton, considerando ser esta uma “oportunidade única” para entrar no mercado chinês.

Ao mesmo tempo, vai ser lançado um documentário sobre o “making off” deste álbum, realizado por Susana Gomes: “Espero que seja tudo lançado ao mesmo tempo”, disse Ricardo Pinto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.