Filipinas: Investida militar matou 44 “jihadistas”

Uma operação militar lançada na quinta-feira pelo Exército filipino na ilha de Mindanao já vitimou 44 alegados terroristas. O alvo da iniciativas são os “jihadistas” da Frente de Libertação Islâmica de Bangsamoro.

Quarenta e quatro ‘jihadistas’ mortos e 26 feridos. Eis o balanço da operação do exército lançada na quinta-feira, na ilha de Mindanao, por parte das autoridades filipinas.

Gerry Besana, do comando de Mindanao, confirmou que os efectivos do exército combateram os rebeldes em, pelo menos, três povoações da região. O número de baixas apontado baseia-se em “dados dos serviços de informação”, de acordo o diário “Manila Bulletin”.

Os soldados, apoiados por veículos armados e artilharia, surpreenderam cerca de duas centenas de ‘jihadistas’ do grupo Lutadores pela Libertação Islâmica de Bangsamoro. O número é amplamente superior à meia centena anteriormente apontada para descrever o grupo de guerrilheiros.

As forças da segurança continuam a vigiar a região sul do país para evitar que o grupo armado extremista ocupe povoações da região, como sucedeu em 2017.

O conflito de Marawi, que decorreu de Maio a Outubro do ano passado, resultou na morte de 920 rebeldes, 165 soldados e 47 civis, tendo sido alcançada a libertação de 1.780 reféns e a recuperação de 850 armas dos islamitas radicais liderados pelo Grupo Maute, organização semelhante ao grupo extremista Estado Islâmico.

Os rebeldes recebem ajuda de terroristas estrangeiros e contam com vastos recursos e tempo para planear os ataques, de acordo com os serviços de informação.

No dia em que começou o conflito, o Presidente filipino, Rodrigo Duterte, declarou a lei marcial em toda a região de Mindanao, onde vivem cerca de 20 milhões de pessoas, uma medida de excepção que ainda permanece activa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.