PEN Club de Hong Kong acusa Praia Grande de censura

Suki Kim foi uma das escritoras alvo do que o PEN Club de Hong Kong diz ser um gesto de censura das autoridades da RAEM.

O organismo emitiu esta tarde um comunicado em que qualifica como “deplorável” a ameaça de não deixar entrar no território três dos escritores que integravam o programa do Festival Literário Rota das Letras. Os escritores da antiga colónia britânica mostram-se “muito preocupados” com o que dizem ser um ataque à liberdade de expressão e à liberdade literária.

O Pen Club de Hong Kong emitiu esta quarta-feira um comunicado em que se diz “consternado” com a decisão, tomada pela organização do Festival Literário Rota das Letras, de cancelar o convite feito a três escritores, depois de ter recebido a indicação de que as autoridades locais poderiam vir a impedir a entrada dos autores no território.
Os escritores em questão são a autora de “Cisnes Selvagens”, Jung Chang, a norte-americana de ascendência coreana Suki Kim e ainda agente da CIA que escreve romances policiais sob o pseudónimo de James Church.
A organização, que promove a escrita literária na vizinha Região Administrativa Especial, considera que a alegada decisão de impedir a entrada em Macau dos três autores constitui um sério atentado a valores como a liberdade de expressão ou a liberdade literária: “Consideramos esta questão um desenvolvimento muito preocupante, dado que tem um impacto directo em questões como o direito à liberdade de expressão ou a liberdade literária, valores que devem ser garantidos não apenas em Macau, mas um pouco por todo o lado”, salienta o Pen Club no comunicado que disponibilizou através das redes sociais.
“Banir escritores tendo apenas por base a aceitabilidade política do que escrevem e princípios nebulosos que nem sequer são publicamente revelados, é uma posição preocupante que de forma alguma pode ser defendida”, complementam os responsáveis pelo organismo.
O Pen Club de Hong Kong reconhece que as autoridades fronteiriças têm todo o direito de negar a entrada a quem quer que seja, mas exorta o Governo da RAEM a abrir mão do que diz ser práticas censórias: “Instamos o Governo de Macau a não fazer da autorização de acesso ao território um mecanismo dissimulado de controlo político, sobre que livros se podem ou não considerar aceitáveis”, escreve a organização.
“Ao agir desse modo, as autoridades de Macau estão, não só a impedir que autores aclamados internacionalmente entrem em Macau e a prejudicar a reputação da cidade como um local conhecido pelas suas indústrias culturais e criativas, mas também a limitar as oportunidades de intercâmbio cultural a que os seus residentes têm direito”, complementa o Pen Club.
O organismo remata o comunicado com uma curta, mas incisiva declaração, em que sintetiza a sua posição face ao sucedido: “Esta é uma medida autoritária e censória que deploramos por inteiro”, consideramos os responsáveis pela organização.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.