Diego Forlan. A oitava vida do craque em Hong Kong

Cinco golos em quatro partidas disputadas. Aos 38 anos, o uruguaio Diego Forlan renasceu para o futebol na vizinha Região Administrativa Especial ao serviço do Kitchee. Amanhã, o dianteiro regressa ao Japão, onde jogou durante uma época e meia, para defrontar o Kashiwa Reysol em partida a contar para a fase de grupos da Liga dos Campeões Asiáticos.

Uma paixão para a vida. É assim que Diego Forlan, antigo avançado do Manchester United olha para o futebol. O dianteiro uruguaio diz que ainda não perdeu o entusiamo pelo jogo e assegura que não tem a intenção de pendurar as chuteiras, agora que abraçou de alma e coração o seu mais recente desafio: o de aumentar o poder de fogo do Kitchee Sports Club, o campeão em título da vizinha RAEHK, na Liga dos Campeões Asiáticos.
Aos 38 anos, Forlán notabilizou-se ao serviço de alguns dos mais bem sucedidos clubes do mundo, tendo brilhado ao serviço do Manchester United, do Atlético de Madrid e do Inter de Milão. Em 2010 alcançou um dos maiores feitos da carreira, ao sagrar-se o melhor marcador no Campeonato do Mundo de Futebol que se disputou na África do Sul.

Aos 38 anos, o dianteiro uruguaio constituiu a contratação mais cara de sempre do Kitchee Sports Club.

Depois de ter cumprido uma temperado ao serviço do Inter de Milão, em 2012, o antigo capitão do Uruguai despediu-se dos grandes palcos do futebol europeu, tendo vestido a camisola de nada mais, nada menos do que cinco clubes. Na época passada, o avançado foi um dos jogadores de referência que se associaram à entidade promotora da Superliga Indiana, tendo cumprido uma temporada ao serviço do Mumbai City.
Mas Forlan, que com a mudança para Hong Kong já alinhou em clubes de oito países e territórios, diz que renasceu para o futebol ao serviço do Kitchee. Em quatro jogos, o veterano já encontrou o caminho das redes adversárias por cinco ocasiões: “É fantástico. Tenho uma boa relação com o clube e com os meus colegas de equipa, uma série de tipos porreiros oriundos de diferentes países. Estou a gostar imenso desta experiência no Kitchee”, disse o uruguaio, numa entrevista à agência AFP.
“Gosto mesmo muito. É muito bonito. Tem sido o meu trabalho desde há quase vinte anos a esta parte e tem sido fabuloso. Na verdade, nem sinto que seja um trabalho. Gosto muito de jogar, sinto-me privilegiado por pode jogar e é por isso que nunca me passou pela cabeça abandonar os relvados”, complementa.
Forlam não é o único futebolista a gozar de uma espécie de renascimento no continente asiático, onde campenatos cada vez mais endinheirados têm atraído cada vez mais jogadores em final de carreira.
Esta semana, Forlan vai regressar ao Japão, país onde esteve ao serviço do Cerezo Osaka durante um ano e meio. O campeão de Hong Kong desloca-se ao terreno do Kashiwa Reysol, onde vai procurar garantir a sua primeira vitória na Liga dos Campeões Asiáticos.

Ganhar tudo o que há para vencer

Depois de perder por 3-0 frente ao Tianjin Quanjian, de Paulo Sousa, e de ter sido derrotado em casa por 6-0 frente ao Jeonbuk Motors, da Coreia do Sul, o Kitchee tenta o seu primeiro triunfo nas contas do Grupo E. Mas o clube da antiga colónia britânica, que se estreia na competição, “ainda tem muito para melhorar”, defende Forlan: “Sabemos que se trata de uma competição muito difícil, mas estamos confiantes de que podemos fazer bem melhor do que fizemos nos dois primeiros desafios”, assume o uruguaio.

Forlan regressa esta terça-feira ao Japão, onde esteve ao serviço do Cerezo Osaka na temporada de 2014-15.

“O próximo jogo não vai ser de todo fácil”, assume Forlan. “Não é que nenhuma partida seja fácil. Sabemos bem que os nossos adversários têm equipas belíssimas”, explica o dianteiro, na antecipação do encontro que se disputa amanhã em Kashiwa”, a cerca de 50 quilómetros de Tóquio.
“Regressar ao Japão vai ser bom. Passei lá um ano e meio fantástico com a minha família”, assegura.
Diego Forlan sagrou-se por duas vezes melhor marcador na Liga Espanhola de Futebol, vencendo o troféu pela primeira vez em 2004-05 ao serviço do Villareal e repetindo o desempenho quatro anos depois, desta feita ao serviço do Atlético de Madrid.
O antigo capitão do Uruguai assume que é necessário quase um milagre para que o Kitchee se torne a primeira formação de Hong Kong a conseguir assegurar um lugar na segunda fase da principal competição asiática de clubes e direcciona, por isso, a sua ambição para a conquista de tudo o que há para conquistar no futebol da vizinha Região Administrativa Especial: “Esperamos poder vencer o Campeonato. Dispomos de uma vantagem considerável para o segundo e para o terceiro classificados”, diz Forlan. “Depois queremos ver se ganhamos também a Taça da Associação de Futebol e a Taça da Liga. Se assim for, será um ano em cheio para nós”, assume Forlan.
O Kitchee lidera actualmente as contas da principal prova de futebol de Hong Kong, com onze pontos de vantagem sobre o Pegasus.

1 Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.