Jeff Yin justifica silêncio com educação eminentemente chinesa

Condenado a sete meses de prisão a meio da semana, o antigo braço direito de Ng Lap Seng diz que não denunciou as ilegalidades alegadamente cometidas pelo empresário pelo facto de ter recebido uma educação chinesa “muito tradicional”. Yin pode vir a cumprir a pena num centro de reabilitação, caso a proposta formulada pela sua advogada seja aceite pelo Tribunal Distrital de Manhattan.

O antigo braço direito de Ng Lap Seng culpou o facto de ter sido educado num meio eminentemente chinês para explicar o facto de nunca ter questionado as ilicitudes cometidas pelo empresário do território.
Jeff Yin, de 32 anos, foi esta semana condenado a sete meses de prisão pelo Tribunal Distrital de Manhattan, depois de se ter declarado culpado do crime de evasão fiscal. Com nacionalidade americana, Yin trabalhava para Ng Lap Seng, magnata do imobiliário que é acusado pela justiça norte-americana de subornar funcionários da Organização das Nações Unidas.

Ng Lap Seng queria transformar Macau numa espécie de “Genebra da Ásia”.

Depois da sentença ter sido proferida, na quarta-feira, a advogada de defesa do arguido adiantou que tenciona submeter ao Tribunal um pedido no sentido de garantir que o seu cliente cumpra a pena num centro de reabilitação. Vernon Broderick, o magistrado que julgou o caso, mostrou-se disponível para considerar a proposta.
Yin respondia pela acusação de ter ajudado Ng Lap Seng a oferecer subornos a funcionários e diplomatas com ligações à ONU com o propósito de garantir apoio das Nações Unidas para a construção de um centro de conferências no território.
Yin acabou, eventualmente, por admitir responsabilidades num único crime de evasão fical, reconhecendo que recebeu pagamentos em forma de cheque provenientes de uma organização liderada por David Ng de forma a evitar o pagamento de impostos. O arguido negou, ainda assim, as acusações de suborno contra ele dirigidas.
No âmbito do acordo que fez com o Ministério Público norte-americano para testemunhar contra o seu antigo patrão, Yin prontificou-se a não recorrer da sentença caso esta fosse menor do que dois anos e meio de prisão: “Não paguei os meus impostos e estou profundamente arrependido”, diss Yin, antes da sentença ter sido proferida.
A Procuradoria norte-americana pedia uma pena de prisão de pelo menos dois anos. O procurador-adjunto Daniel Richenthal defendeu na quarta-feira que Yin ajudou Ng a implementar um esquema de subornos. Richenthal instou o juiz Vernon Broderick a ter em conta o papel de Yin nos planos de Ng Lap Seng, ainda que o arguido, de 32 anos, não se tenha declarado culpado de suborno em momento algum.
Yin disse em Tribunal que nunca lhe ocorreu questionar aquilo que lhe era exigudo pela patrão, culpando o facto de ter crescido no seu de uma família sino-americana “muito tradicional”.
O procuradores do Ministério Público norte-americano defenderam que com o apoio de John Ashe e Francis Lorenzo à construção de um centro de conferências no território, Ng esperava ver a sua reputação e a sua fortuna melhorarem substancialmente com a criação de um complexo que o empresário apelidava da “Genebra da Ásia”. O centro de conferências nunca chegou a ser construído.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.