Museu do Oriente: Ópera chinesa em destaque até ao final do ano

São 280 peças que ajudam a traçar um perfil da riqueza, da diversidade e da relevância cultural da ópera chinesa. Patente ao público no segundo andar do Museu do Oriente, a mostra abriu ao público em Novembro de 2016 e sai de cena no último dia do presente ano.

A ópera chinesa, manifestação cultural que surgiu no final do século XI, dá o mote a uma exposição que versa sobre a importância do simbolismo da milenária arte. A mostra, inaugurada em Novembro de 2016, permanece patente ao público, no Museu de Oriente, em Lisboa, até ao próximo dia 31 de Dezembro.

Sofia Campos Lopes, curadora da exposição “A Ópera Chinesa” destacou à agência Efe a “codificação” inerente aos “librettos” de ópera chinesa, uma vez que cada personagem tem uma forma de vestir ou pintura facial que lhe é particular.

A exposição “A Ópera Chinesa” vai permanecer patente ao público no segundo andar do Museu do Oriente até 31 de Dezembro próximo.

“A ópera chinesa continua a representar-se muito em ambientes rurais e crianças e adultos reconhecem os personagens porque fazem parte de um conjunto de divindades e lendas a quem rendem culto”, afirmou a responsável.

O reconhecimento imediato dos personagens transforma os espectáculos de ópera chinesa numa espécie de “património cultural comum”, defende Sofia Campos Lopes.

Além da narrativas e dos personagens, há outros traços comuns que tornam inteligíveis as obras dee ópera chinesa, onde quer que sejam interpretadas em território chinês: “Na China, dão muita importância a outros elementos como a mímica, as acrobacias ou o canto em falsete, a que recorrem muitos actores”, apontou.

Através de trajes, instrumentos musicais, gravações de representações em vídeo, marionetas, máscaras e todo o tipo de desenhos e gravuras, os visitantes são convidados a embarcar numa viagem subtil à cultura musical chinesa. A exposição está patente ao público no segundo andar do Museu do Oriente, na capital portuguesa.

A mostra é composta por cerca de 280 peças, todas extraídas da coleção Kwok On, um acervo criado em 1971 para estudar as antigas civilizações da Ásia e à qual a Fundação Oriente, proprietária do Museu do Oriente, tem acesso desde 1999.

A exposição “A Ópera Chinesa” repassa cinco das obras mais conhecidas da cultura operática da China, algumas das quais com séculos de existência e outras criadas após a Revolução Cultural (1966-1976), período em que o Governo da República Popular da China apenas autorizava a representação de oito óperas.

De todas as narrativas abordadas na exposição, Sofia Campos Lopes destacou “A lenda da Serpente Branca”, em que as protagonistas são duas serpentes irmãs que se transformam em jovens donzelas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.