A bigodaça

Quando cheguei a Macau, antes ainda de um secretário e de um procurador serem engaiolados por corrupção por práticas de diferentes formas e feitios, encontrei, esquecido, na parede de uma certa repartição pública, um poster que uns meses antes deixara a comunidade portuguesa a fervilhar em discreta indignação. Da responsabilidade do Comissariado Contra a Corrupção, o cartaz ostentava, maço de notas na mão, um personagem de banda desenhada de ventre aplanetado e de retumbante bigodaça em sigilosa transacção com um outro ser da mesma fibra, um par de traços bruscos e menos rotundos, mais finos e também mais compostos, como que a transmitir natural autoridade. As palavras que acompanham o desenho não as recordo e, porventura, ninguém mais delas se lembrará, mas o sub-texto, só um cego não o conseguiu apreender. A pança, a farta pilosidade, a paveia de dinheiro.
Na altura, cinco meros anos após o temeroso “handover”, a comunidade vivia como o elefante a quem foi confiada a guarda da loja de porcelanas: melindrada pelo passado, incerta quanto ao futuro. A injúria foi discutida em segredo e engolida em seco, com o mesmo desagrado com que um viajante se ressente do cisco que lhe entra para os olhos, tocado pelo vento. Muda e inerte, a comunidade mostrou-se bem mais vocal dois anos depois quando a Shun Tak, numa exposição subordinada à temática do património mundial, se lembrou de enfeitar várias réplicas dos monumentos de Macau com imagens da Hello Kitty no lugar de anjos, santinhos e divindades que tais. Nossa Senhora da Guia transformou-se, por exemplo, numa espécie de fada felina com direito a asas, lantejoulas, varinha de condão e tudo o mais a que uma boa fada tem direito.
Durante décadas, a forma mais fácil de caricaturar o português, entendido na parte e no todo, passava mui simplesmente por dotar um boneco de uma proeminente lanugem supralabial. Viril e áspera – que os bigodezinhos, deixamo-los para os italianos – a exuberante pilosidade facial passou a ser, para o melhor e para o pior, um traço de identidade e de portugalidade, ainda que a retumbante epidemia de generosas bigodaças que varreu os anos 80 há muito tenha passado de moda.
Numa altura em que os rituais de expiação colectiva de vícios e defeitos parecem ganhar contornos de tendência e que alguns sectores da sociedade portuguesa se empenham em aprofundar a discussão sobre o alcance e a magnitude do racismo português, importa lembrar que na década de 80, pelo menos em Macau, o bigode não foi a única instância generosa no feitio dos portugueses.
Kequyen Lam é disso um bom exemplo. Nascido em Macau, sem uma gota de sangue luso ou de chinês que seja, Lam é cidadão português mercê de circunstâncias históricas e do esforço desenvolvido por um homem que honrou em si toda a Humanidade deste mundo: se o tivesse, Lancelote Rodrigues estaria agora a cofiar o mustachio ao lado de um São Pedro presumivelmente hirsuto, agradado com a perspectiva de ver Kequyen competir por Portugal. Que o esquiador se faça às encostas de Pyeongchang de bigodaça no rosto não só é uma doce ironia, como a mais bela das homenagens que alguém pode prestar à verdadeira natureza de Macau, ponto de encontro de gentes e de mundos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.