O país do Meio. Uma breve incursão histórica

Os chineses denominam desde há milénios a imensa nação que os abriga como “Zhong Guo” (中國), expressão que se traduz no seu sentido mais literal como “o país do Meio”. A designação, que remonta ao período clássico da história da China (século VI a.C), reportava-se à época ao império Zhou e às circunstâncias melindrosas em que se encontrava, rodeado por povos considerados como bárbaros pelos súbditos – zhong guo ren (中國人) – de uma realidade política que, não sendo homogénea, abarcava populações culturalmente mais avançadas.

De enunciado meramente descritivo, a expressão depressa passou a ser utilizada como instância de legitimação por sucessivos Estados. A palavra “China”, por sua vez, tem a sua origem, ao que parece, na dinastia Qin, a dinastia responsável pela unificação do país no ano 221 a.C.

Até então a China estava dividida em reinos rivais, mas a troca de ideias era frequente e não eram poucos os intelectuais e eruditos que ofereciam os seus serviços a cortes rivais. Confúcio, figura seminal da cultura e do pensamento chinês, para quem, para além do Estado (“guo”) era imprescindível considerar o conceito de “tian xia” (literalmente “debaixo do céu”) foi um dos que colocaram a sua visão do mundo ao serviço de vários governantes.

Durante muito tempo, os chineses foram sinocêntricos e mostraram maior propensão para se debruçarem sobre si próprios do que propriamente pelas regiões e pelos povos que viviam além das fronteiras do país do meio. O mais das vezes, mais do que bárbaros, os outros são considerados como ameaças. Entre os povos mais irredutíveis e que mais persistentemente ensombraram o imaginário chinês estão os tibetanos, os xiongnu (identificados por vários historiadores com os hunos), ao mongóis ou os jurchenos, povo que passou a ser conhecido no século XVIII pela designação de manchús.

No século VII, como sinal de confiança e símbolo de uma desejada aliança, o imperador Tang oferece ao rei tibetano Songtsen Gampo a mão da princesa Wencheng, ainda hoje tida como uma heroína por parte do povo chinês. Os xiongnu, uma confederação de tribos nómadas por vezes comparadas, por vezes identificadas com os ferozes hunos, aterrorizaram as populações chinesas durante séculos. Afastada a ameaça, uma outra confederação de povos nómadas – os mongóis – invadiram a China e fundaram a dinastia Yuan.

O exercício do poder por parte de povos estrangeiros não constituía de todo uma novidade – os Wei governaram vastas áreas do país durante o período das Dinastias do Norte e do Sul, por exemplo – mas os Yuan são os primeiros governantes de outra etnia que não os Han a governar sobre a totalidade do território chinês.

Mas eis que o extraordinário acontece: tal é a força da cultura chinesa que os mongóis acabam por sucumbir a um incontornável processo de sinificação. Essa acaba por ser também a sorte dos manchús, que fundam a dinastia Qing em 1644 e só são afastados das instâncias de poder com a instauração da República da China, em 1911.

Apesar de se afirmar desde cedo como uma potência de primeira grandeza, a China é um império ensimesmado a quem a exploração de terras distantes pouco ou nada interessa. Em termos históricos, a excepção que confirma a regra confirma-se com a gesta do almirante Zheng He e com as sete viagens que o conduzem ao sudeste asiático, à região da península arábica e à costa oriental africana em navios de envergadura bem maior que as caravelas que trouxeram Vasco da Gama a Calecute e Pedro Álvares Cabral a Vera Cruz. As viagens de exploração, promovidas mais de setenta anos antes de Cristovão Colombo ter atracado no novo mundo, não se fizeram seguir nem por expedições exploratórias, nem por acções de conquista.

É esta falta de interesse por ir mais além que explica a tese, hoje bastante controversa, de uma China que esmorece e parece mergulhar num estado de letargia a partir do século XV. A vasta nação chinesa só parece despertar com as consequências de um chocante traumatismo: a derrota sofrida na primeira Guerra do Ópio, em 1839, coloca o país não apenas sob o domínio militar de uma potência exterior, mas também constitui um ataque à superioridade de uma cultura milenar que durante séculos reivindicou o estatuto de referencial de todo a Ásia Oriental e Insulíndia. O século XIX e a primeira metade do século XX são períodos dos quais a China se ressente – vivo que está ainda o estigma da humilhação – e dos quais só agora parece se recuperar, abandonada pragmaticamente que está o “caminho do meio” da tradição budista, a posição de acordo com a qual nem se deve favorecer a auto-indulgência, nem privilegiar a auto-mortificação. Após milénios de uma presença discreta no panorama internacional, a China parece decididamente afastar- se do 8 e caminha a passos largos para o 80 e para o estatuto de principal potência do planeta.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.