Indonésia. Marinha a contra-relógio para encontrar submarino desaparecido

A Marinha da Indonésia, confrontada com uma busca contra o tempo para localizar um submarino desaparecido com 53 pessoas a bordo, informou esta sexta-feira que detectou um “objecto” flutuante, mas que não tem certeza se pertence ao submarino.

O “KRI Nanggala 402”, construído há cerca de 40 anos, mergulhou na quarta-feira pela manhã durante exercícios militares e, desde então, deixou de responder aos sinais. As autoridades militares consideram que as reservas de oxigénio da tripulação se esgotarão no sábado ao início da manhã.

Na quinta-feira à noite, a Marinha anunciou que detectou um “objecto” não identificado fortemente magnético a uma profundidade de entre 50 a 100 metros. Vários navios de guerra com sonares foram enviados com a esperança de que se trate do submarino de que estão à procura:  “Só temos até amanhã [sábado] às 03h00 e é por isso que nos estamos a esforçar ao máximo hoje”, explicou o porta-voz da Marinha indonésia, Ashmad Riad. “Esperamos poder avançar com boas notícia”.

Uma camada de hidrocarbonetos detectada a norte da ilha de Bali, onde o submarino mergulhou, gerou temores de que o depósito do aparelho tenha rebentado, segundo os especialistas.

As autoridades militares anunciaram num primeiro momento que o submarino poderia ter descido a uma profundidade de 700 metros, muito maior do que aquela para a qual foi projectado.

O submarino, de fabrico alemão,  pediu autorização para mergulhar como parte de exercícios militares que incluíam o disparo de torpedos.

Os Estados Unidos anunciaram na quinta-feira que enviaram tropas aerotransportadas para ajudar e dois navios australianos também estão a caminho, assim como reforços da Índia e da Malásia.

Singapura enviou um navio especializado em resgate de submarinos, o “MV Swift Rescue”, que deve chegar no local no sábado.

No entanto, há cada vez menos esperanças de salvar a tripulação: “Se houver grandes danos no aparelho, isso poderá significar várias coisas, por exemplo, que o espaço disponível para a tripulação é muito pequeno e que há pouco oxigénio”, observou Collin Koh, especialista em assuntos navais e investigador na Escola de Estudos Internacionais S. Rajratnam de Singapura: “Isso também poderá significar que os tanques de reservas de oxigénio também se danificaram, o que reduziria ainda mais o nível de oxigénio”, acrescentou.

Os submarinos são equipados para evitar a acumulação de dióxido de carbono, mas esses dispositivos também poderiam estar danificados, o que representaria um grande perigo, acrescentou Koh à AFP: “Não se trata apenas de ter oxigénio suficiente, mas também do nível de dióxido de carbono no interior, que poderia determinar o destino” da tripulação.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.