Neandertais desapareceram da Europa mais cedo do que se julgava

Fósseis de neandertais encontrados numa caverna da Bélgica e atribuídos aos últimos sobreviventes desta espécie na Europa são vários milhares de anos mais antigos do que apontavam estudos anteriores, de acordo com as conclusões de uma nova investigação, divulgado na segunda-feira.

Estudos de radiocarbono realizados em restos encontrados na caverna belga de Spy atribuíam-lhes uma antiguidade de 24.000 anos, mas novos exames indicam que remontam a entre 44.200 e 40.600 anos atrás.

A pesquisa foi publicada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) dos Estados Unidos e foi realizada por cientistas de Bélgica, Grã-Bretanha e Alemanha.

Um dos co-autores, Thibaut Deviese, disse à Agência France Press que o estudo empregou uma nova tecnologia que permite estudar as amostras e excluir contaminantes.

Ter uma ideia firme de quando estes antepassados, os mais próximos do Homo sapiens, desapareceram é considerado um primeiro passo essencial para entender a sua natureza e capacidades assim como, eventualmente, saber porque desapareceram, ao passo que os nossos antepassados progrediram.

A nova tecnologia ainda utiliza o radiocarbono – uma espécie de padrão ouro da arqueologia – mas é mais refinada para analisar as peças.

Todos os seres vivos absorvem o carbono da atmosfera e da comida que ingerem, inclusive o radioactivo carbono 14, que vai desaparecendo ao longo do tempo. Ao morrer, animais e plantas param de absorver carbono 14, e a quantidade que permanece nos seus restos mortais permite determinar há quantos anos viveram.

Quando se trata de ossos, os cientistas estudam as partes com colágenio, uma substância proteica presente em tecidos de ossos e cartilagens: “O que fizemos foi dar um passo adiante”, disse Deviese, já que que as amostras podem ser danificadas pela contaminação do sítio onde foram encontradas ou pelas substâncias empregadas nos museus para as preservar.

A equipe de cientistas apontou, então, a análise de blocos de colágeno e, em especial, seleccionou aminoácidos que certamente eram parte do colágeno.

Os autores do estudo também estabeleceram a idade de espécimes encontrados em outros sítios belgas, como Fonds de Foret e Engis, tendo-se deparado com idades similares: “Datar estes espécimes belgas foi muito apaixonante porque tiveram um papel importante para a compreensão e a definição dos neandertais”, disse o co-autor do estudo, Gregory Abrams. “Quase dois séculos depois da descoberta do filho Neandertal de Engis, pudemos ter uma idade confiável”, afirmou.

O sequenciamento genético, enquanto isso, permitiu mostrar que um ombro de um neandertal, anteriormente com antiguidade estabelecida em 28.000 anos, está muito contaminado por DNA bovino, o que indica que o osso pode ter sido preservado com uma cola feita de ossos de gado: “Definir datas é crucial na arqueologia. Sem uma linha do tempo confiável, não podemos verdadeiramente compreender a relação entre os neandertais e o Homo Sapiens”, acrescentou o co-autor Tom Higham, da Universidade de Oxford.

O uso de algumas ferramentas de pedra foi atribuído aos neandertais e interpretado como um sinal de sua evolução cognitiva, afirmou Deviese.

Mas se o cronograma da existência dos neandertais está a ser retardado no tempo, acrescentou Deviese, então simples tarefas paleolíticas poderão ter que ser reexaminadas para determinar se realmente foram executadas por esta espécie.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.