Covid-19 pode alterar qualidade do esperma – novo estudo

A Covid-19 pode alterar a qualidade do esperma de homens que contraiam a doença, de acordo com um estudo alemão que será publicado esta sexta-feira. A investigação foi realizada com um pequeno número de pacientes. As conclusões ainda terão que ser confirmadas por outras investigações.

Uma equipa de cientistas da Universidade Justus-Liebig (Giessen, Alemanha) analisou regularmente durante dois meses o esperma de 84 homens com menos de 40 anos infectados com o coronavírus, a maioria afectados de forma grave, comparando-o com o de outros 105 indivíduos que não foram infectados.

Entre os doentes com a Covid-19, os marcadores de inflamação e de stress oxidativo nos espermatozoides foram duas vezes mais altos do que os do grupo de controlo, de acordo com um artigo divulgado na revista científica Reproduction.

Os autores constataram também uma concentração de espermatozoides e uma mobilização destes últimos “claramente menor”, assim como muitos mais espermatozoides com uma forma alterada entre os afectados pela Covid-19.

“Estes resultados constituem a primeira prova experimental directa de que o sistema reprodutivo masculino pode ser alvo e ser afectado pela Covid-19”, concluíram.

Os investigadores destacaram, ainda, que as alterações observadas correspondem a um estado de “oligoastenoteratospermia, que é uma das causas frequentes de hipofertilidade nos homens”.

Especialistas que não participaram no estudo advertem, no entanto, que são necessárias novas investigações para que as conclusões possam ser comprovadas:  “Os homens não se devem alarmar demais. Por enquanto, não há nenhuma prova estabelecida dos danos de longo prazo causados pela Covid-19 no esperma ou na reprodução potencial masculina”, disse Alison Campbell, directora de embriologia para o grupo de clínicas especializadas Care Fertility.

Os autores afirmaram que uma hipótese é que os resultados observados se devam aos tratamentos recebidos por alguns pacientes, particularmente os corticosteroides, os antivirais e os antirretrovirais, pois alguns estudos já destacaram um impacto negativo dos mesmos na qualidade do esperma.

Quarenta e quatro por centro dos participantes do grupo Covid receberam como tratamento corticosteroides e 69 por cento, antivirais.

Independentemente da acção do coronavírus, “já sabemos que a febre pode ter um impacto negativo na produção de esperma, qualquer que seja a doença que a causa”, diz Allan Pacey, especialista de fertilidade masculina da Universidade de Sheffield, no Reino Unido.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.