BNU em posição privilegiada para ajudar ao fomento dos negócios sino-lusófonos

Carlos Cid Álvares, presidente do Banco Nacional Ultramarino, defendeu na terça-feira que a instituição que dirige está “actualmente numa posição estratégica para apoiar os negócios entre a República Popular da China e os países de língua portuguesa”.

O gestor lembrou que o Banco Nacional Ultramarino, através das sinergias criadas pela pertença ao universo do Grupo Caixa Geral de Depósitos está presente em quatro continentes e em sete países que têm o português como língua oficial. O panorama foi traçado por Carlos Cid Álvares na cerimónia de oficialização do estatuto de banco emissor do BNU por um período de mais uma década: “O BNU faz parte do Grupo CGD [Caixa Geral de Depósitos], uma das maiores instituições financeiras da Europa, com uma vasta rede global em quatro continentes e sete países de língua portuguesa”, começou por salientar Cid Álvares.

A instituição bancária de matriz portuguesa e o Banco da China vão continuar a emitir moeda em Macau pelo menos até 2030. Nos últimos anos, o Banco Nacional Ultramarino expandiu-se para além das fronteiras do território, com a abertura de várias representações em território continental chinês: “Para além de Macau, o BNU está também presente em Xangai e abriu uma sucursal em 2017 na nova zona de Hengquin de Zhuhai”, acrescentou o gestor.

A expansão para a ilha da Montanha e para Xangai, explicou Carlos Cid Álvares, veio criar “mais oportunidades económicas” para os países lusófonos, não só no âmbito do projecto de desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, como também no âmbito da iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”.

Presente na cerimónia, o Secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, lembrou que tanto o Banco Nacional Ultramarino, como o Banco da China têm cooperado desde sempre e de forma plena com a RAEM “colaborando activamente com as políticas definidas pelo Governo, com o intuito de assegurar a estabilidade do abastecimento monetário (…), e cumprindo os seus deveres de agenciamento na emissão de notas”.

O governante lembrou ainda que “o número de notas em circulação em Macau, que era inferior ao equivalente a 1,3 mil milhões de patacas no final de 1995, tem aumentado anualmente, correspondendo actualmente para os 18,5 mil milhões de patacas, o que representa um aumento superior a 13 vezes”.

Um tal aumento traduz-se, sustenta Lei Wai Nong, pela  trajetória ascendente”, o “crescimento da economia, da população e dos turistas” verificada no território ao longo de 25 anos.

O Governo anunciou no início de Outubro que o BNU e o Banco da China iriam continuar a ser os bancos emissores de moeda em Macau ao longo da próxima década. Os novos contratos, ontem oficializados, são válidos 15 de Outubro de 2030.

O Banco Nacional Ultramarino, recorda a agência Lusa, iniciou atividade em Macau em 1902 e é banco emissor de papel-moeda e agente de notas do Tesouro de Macau há mais de um século. A instituição bancário de matriz portuguesa conseguiu manter as funções após a criação do Governo da RAEM em 1999, aquando da transferência da administração do território para a República Popular da China.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.