Seis países reportaram casos de Covid-19 em visons

Seis países, incluindo a Dinamarca e Estados Unidos da Améria, relataram até o momento casos de Covid-19 em criações de visons, informou neste sábado (7) a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Até o momento, seis países, a saber, Dinamarca, Holanda, Espanha, Suécia, Itália e Estados Unidos relataram casos de SARS-CoV-2 em criações de visons à Organização Mundial de Saúde Animal”, disse a agência da ONU num comunicado.

O anúncio é feito depois que da primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, ter anunciado na quarta-feira o sacrifício de todos os mais de 15 milhões de visons do país, alegando que uma estirpe do SARS-Cov-2 que sofreu mutação poderia colocar em risco a eficácia do uma futura vacina. A nova variante do vírus terá sido transmitida pelos animais a pelo menos doze pessoas.

A mutação foi identificada em cinco esxplorações diferentes. Os 12 casos de transmissão em humanos do vírus que sofreu mutação foram detectados no norte da região da Jutlândia, na região oeste do país, onde se concentra a maioria das explorações.

“Os casos ocorreram entre pessoas com idade compreendida entre 7 e 79 anos, oito delas relacionadas com a indústria agrícola de criação de visons e quatro da comunidade local”, informou a Organização Mundial de Saúde.

A mutação de um vírus é normal, e uma mutação não significa que se comportará de forma diferente, afirmam cientistas. Determinar as consequências concretas de uma mutação é, ainda assim, complexo

No caso desta estirpe, denominada de “Cluster 5”, a infecção implica, de acordo com os primeiros estudos, uma menor eficiência dos anticorpos humanos, o que ameaça o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19: “As observações iniciais sugerem que a apresentação clínica, a gravidade e a transmissão dos indivíduos infectados são semelhantes às de outros vírus circulantes do SARS-CoV-2”, observou a Organização Mundial de Saúde.

“No entanto, esta variante, denominada variante +cluster 5+, apresenta uma combinação de mutações ou alterações que não tinham sido observadas antes”, acrescentou a agência especializada da Organização das Nações Unidas, destacando que “as implicações das alterações identificadas nesta variante ainda não são totalmente compreendidas”.

Os resultados preliminares, observou a OMS, indicam que esta variante associada ao vison, identificada tanto nos visons como nos 12 casos humanos, apresenta “sensibilidade moderadamente reduzida a anticorpos neutralizantes”.

Neste contexto, a OMS apelou à realização de novos estudos científicos e laboratoriais para verificar os resultados e determinar quais as consequências para o desenvolvimento de tratamentos e vacinas: “Embora se acredite que o vírus esteja ancestralmente ligado aos morcegos, a origem do vírus e o(s) hospedeiro(s) intermediário(s) do SARS-CoV-2 ainda não foram identificados”, lembrou a OMS.

Uma missão internacional, composta por especialistas internacionais da OMS, da Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas e da Organização Mundial para a Saúde Animal, foi criada em colaboração com Pequim para determinar a origem do vírus.

Em 30 de Outubro, esses especialistas  encontraram-se pela primeira vez com os seus colegas chineses, ainda que de forma virtual:  “Dada a escala e complexidade da pandemia de Covid-19, precisamos de um conjunto completo de investigações científicas na China e em outros lugares para encontrar o (s) hospedeiro (s) intermediário (s) e as origens do vírus”, disse essa semana à AFP uma porta-voz da OMS, Farah Dakhlallah.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.