Poluição do ar provocou a morte a meio milhão de recém-nascidos em 2019

A poluição do ar matou 476.000 recém-nascidos em 2019, especialmente na Índia e na África subsaariana, de acordo com um estudo publicado nos Estados Unidos da América que destaca a responsabilidade dos fumos tóxicos que emana dos combustíveis usados para cozinhar em grandes partes da Índia e do continente africano. Circunstâncias da índole terão sido responsáveis por até 75 por cento dos casos.

Mais de 116.000 bebés indianos e 236.000 crianças nascidas na África subsariana morreram no primeiro mês de vida, vítimas da poluição do ar, afirma a organização ‘State of Global Air 2020’, que utiliza dados compilados pelos americanos Health Effects Institute e Institute for Health Metrics and Evaluation.

Os autores do estudo afirmam que há cada vez mais provas que permitem vincular a exposição das mães à contaminação durante a gravidez com o risco crescente de parto prematuro ouc com o facto de os bebés nascerem com um grave déficit de peso.

“Apesar de uma redução lenta e constante da dependência das residências dos combustíveis de má qualidade, a poluição do ar que geram continua a ser um factor chave para a morte dos bebés”, adiantou Dan Greenbaum, presidente do Health Effects Institute.

No total, a contaminação do ar provocou 6,7 milhões de mortes no mundo em 2019, a quarta maior causa de mortalidade no planeta, indica o estudo.

Os autores destacaram que a pandemia de Covid-19, que provocou mais de um milhão de mortes e danos económicos severos, teve um impacto positivo no que diz respeito à poluição: “Muitos países recuperaram o céu azul e as noites estreladas pela primeira vez em muitos anos”, devido à paragem brusca das actividades. Mas os pontos positivos não devem prevalecer durante muito tempo, alertaram os autores.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.