Protegido da Turquia vence eleições no Chipre do Norte

O nacionalista Ersin Tatar, candidato apoiado pela Turquia, foi no domingo eleito, contra todos os prognósticos, “presidente” da autoproclamada República turca do Chipre do Norte (RTCN), uma vitória para o governo de Ancara, numa altura em que o Mediterrâneo oriental está mergulhado numa nova vaga de tensões.

Com 51,7 por cento dos votos, Tatar – que defende uma solução de dois Estados soberanos na ilha mediterrânea dividida – venceu Mustafa Akinci, crítico de Ancara e partidário de uma reunificação do Chipre, na forma de um Estado federal. O resultado deve representar uma mudança radical das relações com a parte sul da ilha.

A Turquia celebrou a surpreendente vitória de seu protegido, comprometendo-se a defender, com ele, os interesses dos povos turcófonos do Mediterrâneo oriental: “Parabenizamos, calorosamente o vencedor da eleição presidencial, Ersin Tatar. Trabalharemos juntos para garantir a prosperidade, o desenvolvimento e a segurança dos turco-cipriotas. Defenderemos juntos os direitos e interesses legítimos do Chipre do Norte no Mediterrâneo oriental”, tweetou o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlüt Cavusoglu.

O apoio do candidato que foi  terceiro no primeiro turno, disputado a 11 de Outubro, não foi suficiente para que Akinci ganhasse.

Não é de descartar, no entanto, um pedido de recontagem de votos por parte do partido de Akinci, que denunciou várias vezes a ingerência da Turquia na eleições.

A participação foi de 67,3 por cento ou seja, três pontos a mais do que em 2015,  apesar da pandemia de covid-19. À volta de 199.000 pessoas foram convocadas para votar, de um total de 300.000 habitantes.

Tatar, nacionalista de direita, obteve 32,35 por cento dos votos no primeiro turno das eleições, disputadas a 11 de Outubro, enquanto que Akinci ficou com quase 30 por cento.

Os 738 centros de votação fecharam às 18h, num processo acompanhado de perto pelos representantes de ambos os candidatos.

A eleição ocorreu num contexto de tensão no Mediterrâneo oriental sobre a exploração de hidrocarbonetos entre a Turquia e a Grécia, principal aliado da República do Chipre, que exerce a sua autoridade nos dois terços da parte sul da ilha e integra a União Europeia.

A República Turca do Chipre do Norte abarca o terço norte da ilha, ocupado desde 1974 pela Turquia, em reacção a um golpe de Estado que procurava anexar o Chipre à Grécia. A Turquia considera que a ilha é um elemento-chave na sua estratégia para estender as suas fronteiras marítimas.

O derrotado Akinci é um socialdemocrata de 72 anos, partidário da reunificação da ilha e da redução dos laços com a Turquia, o que lhe valeu a hostilidade de Erdogan.

Nesse cenário, a Turquia apoiou abertamente o vencedor Tatar, de 60 anos, a favor da solução de dois Estados.

A Turquia multiplicou as manobras para promover a candidatura de Tatar, como a cerimónia para inaugurar um aqueduto submarino entre o Chipre do Norte e a Turquia, ou a reabertura parcial de uma famosa estação balnear – a praia de Varosha –  abandonada desde que o Exército turco desembarcou na ilha.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.