Arábia Saudita falou o assalto ao Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas

A Arábia Saudita falhou a sua tentativa de obter uma cadeira no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, ao passo que a China, que a Rússia e Cuba conseguiram ser eleitos para um período de três anos.

Várias organizações de defesa dos direitos humanos celebraram a derrota de Riad, um resultado que afecta as tentativas da monarquia do Golfo de melhorar a sua imagem internacional.

Quinze vagas encontravam-se em jogo dentro da instituição, constituída por 47 membros, que é objecto de críticas de activistas por incluir países acusados de violações aos direitos humanos.

Apenas quatro foram decididas por votação, todas na região da Ásia-Pacífico.

A China recebeu 139 votos na eleição secreta, uma queda expressiva face aos 180 que recebeu da última vez que o país foi eleito em 2016: “Isto mostra que mais Estados estão perturbados com o péssimo histórico da República Popular da China nos direitos humanos”, tweetou Louis Charbonneau, director da Human Rights Watch.

O Paquistão e o Uzbequistão receberam 169 votos e o Nepal, 150. A Arábia Saudita foi o único país aspirante que ficou de fora, com apenas 90 votos: “O reino colhe o que plantou por causa das suas graves violações dos direitos humanos e crimes de guerra no exterior”, tweetou Bruno Stagno, vice-director da Human Rights Watch.

Rússia e Cuba estavam entre os 11 países eleitos sem oposição. Todos os 193 membros da Organização das Nações Unidas podiam votar em cada região.

O controverso sistema de votação permite que os países estabeleçam acordos para determinar quem se vai candidatar, com frequência sem oposição.

O presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos em 2018: “Hoje a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas escolheu novamente países com históricos horríveis no que toca aos direitos humanos”, afirmou num comunicado o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo.

Pompeo criticou as regras do Conselho, ao destacar que “permitem a eleição dos piores violadores dos direitos humanos do mundo para assentos no Conselho”.

Pela América Latina e Caribe, actualmente integram o Conselho a Argentina, a Venezuela, o Uruguai, as Bahamas, o Brasil, o Chile, o México e o Peru.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.