Novo míssil norte-coreano causa alarme entre os especialistas

O novo míssil balístico intercontinental gigante revelado no sábado pela Coreia do Norte durante um desfile militar é uma ameaça explícita ao sistema de defesa antimísseis norte-americano, mas também um desafio implícito ao presidente dos Estados Unidos, de acordo com especialistas ouvidos pela Agência France Press.

Do alto da tribuna do poder, em Pyongyang, o líder Kim Jong Un prestou grande atenção ao míssil balístico intercontinental (ICBM) apresentado durante o desfile de celebração de mais um aniversário do Partido dos Trabalhadores.

Instalado num enorme lançador que desfilou na Praça Kim Il Sung – em homenagem ao fundador do regime – em Pyongygang, o míssil foi o clímax de um desfile nocturno sem precedentes.

Os especialistas sustentam que se trata do maior míssil móvel de combustão líquida do mundo, provavelmente projectado para transportar um míssil com várias ogivas (MIRV).

Para Jeffrey Lewis, do Middlebury Institute, o projéctil é “claramente destinado a testar o sistema de defesa anti-mísseis americano no Alasca”.

Se o ICBM comportar três ou quatro ogivas, explicou o especialista, os Estados Unidos da América terão de gastar cerca de mil milhões de dólares para construir entre 12 a 16 mísseis interceptores para cada míssil: “A esse preço, tenho quase a certeza de que a Coreia do Norte pode adicionar ogivas mais rápido do que podemos adicionar interceptores”, ressaltou.

O comprimento do projéctil é estimado em 24 metros e o seu diâmetro em 2,5 metros, o que, segundo o especialista Markus Schiller, permite transportar 100 toneladas de combustível.

É, no entanto, tão grande e pesado que é praticamente inutilizável, sublinhou:

“Não faz absolutamente nenhum sentido, excepto num contexto em que Pyongyang está interessada em fazer passar uma mensagem: ‘Agora temos um ICBM móvel com MIRV, tenham medo'”.

Especialistas na Coreia do Norte defendem que os dispositivos exibidos por Pyongyang durante os desfiles podem ser modelos e que não há evidências de que funcionem até que sejam testados.

No sábado, o míssil foi transportado num veículo de 11 eixos, nunca visto antes. Este modelo é muito maior do que os veículos de oito eixos fabricados na República Popular da China e até agora usados pela Coreia do Norte: “Este dispositivo é talvez mais assustador do que o próprio míssil”, declarou Melissa Hanham, investigadora da organização Open Nuclear Network. “Se a Coreia do Norte for capaz de produzir os seus próprios chassis, haverá menos restrições no número de ICBMs que poderá lançar”.

 “Linha vermelha”

Pouco antes de ser empossado presidente dos Estados Unidos em 2017, Donald Trump tweetou que a Coreia do Norte “não teria sucesso” em desenvolver uma arma que pudesse atingir o território norte-americano.

O primeiro ano do seu mandato, que viu o Norte lançar um ICBM capaz de atingir esse objectivo, foi marcado por uma série de trocas de insultos entre Trump e Kim antes de uma histórica reaproximação diplomática.

As negociações sobre a desnuclearização da Coreia do Norte estão paralisadas desde o fracasso da cimeira de Hanói em 2019.

Este ICBM é a prova de que o Norte continuou a desenvolver o seu arsenal militar ao longo do processo diplomático, dizem os especialistas, o que dá a Pyongyang mais força para exigir um retorno à mesa de negociações: “Gostemos ou não, a Coreia do Norte é uma potência nuclear e provavelmente a terceira potência nuclear capaz de atingir cidades norte-americanas, depois da Rússia e da China”, declarou à AFP Andrei Lankov, do Korea Risk Group.

Kim quis enviar uma mensagem aos Estados Unidos e mostrar que melhorou o seu armamento e que se “não querem fazer um acordo agora, terão que fazer isso mais tarde ou mais cedo, o que seria pior para a comunidade internacional”, acrescentou.

Mais de 12 horas após o final do desfile, a televisão norte-coreana noticiou que nem Trump nem o seu rival democrata Joe Biden tinham tweetado sobre o assunto.

De acordo com Shin Beom-chul, do Instituto de Pesquisa de Segurança Nacional da Coreia, ao exibir o míssil em vez de lançá-lo, Pyongyang evitou cruzar a linha vermelha: “Mas também mostra que a Coreia do Norte poderia prosseguir com um lançamento se Trump for reeleito e ignorar a questão norte-coreana”, disse à AFP.

No entanto, “se Biden for eleito e não ouvir a Coreia do Norte, fará um lançamento”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.