Quirguistão. Presidente declara estado de emergência

O presidente do Quirguistão, Sooronbai Jeenbekov, declarou na sexta-feira o estado de emergência em Bishkek e ordenou que tropas saíssem para as ruas da capital à medida que a instabilidade política toma conta do país da Ásia Central.

O gabinete de Jeenbekov informou, num comunicado, que o estado de emergência, o qual inclui toque de recolher obrigatório e fortes restrições de segurança, entrou em vigor de 20 horas de sexta-feira até  às 8h de 21 de Outubro, no horário local.

A ordem não mencionou quantos soldados vão ser colocados nas ruas da capital, mas os militares foram instruídos a fazer uso de veículos militares, estabelecer postos de controlo e evitar confrontos armados.

Mais cedo, o presidente tinha dito que estava pronto para renunciar assim que um novo gabinete fosse anunciado, à medida que os políticos do país procuram uma solução para o vácuo de poder que levou Moscovo a mencionar a obrigação da Rússia de garantir a estabilidade na região.

Grupos da oposição estão a negociar entre si desde que tomaram edifícios governamentais  e forçaram a anulação do resultado de um acto eleitoral contestada no fim-de-semana passado.

Na sexta-feira terá sido dado um primeiro passo para uma eventual solução, despertando a esperança no fim da crise, mas milhares de pessoas saíram na sexta-feira à rua, em manifestações divergentes que os analistas políticos dizem representar um elevado risco de violência. A oposição divide-se em 11 partidos que representam interesses de natureza tribal ou étnica, num país que já viu revoltas populares deporem dois presidentes desde 2005.

A Rússia descreveu a situação no Quirguistão, que faz fronteira com a China e abriga uma base militar russa, como “acometida pelo caos”.

A crise testa a capacidade do Kremlin de moldar a política  na sua antiga esfera de influência, num momento no qual emergem confrontos entre a Arménia e o Azerbaijão e a Bielorrússia também está mergulhada em protestos.

Depois de forçarem o Governo a renunciar e a comissão eleitoral a anular os resultados das eleições parlamentares de domingo, grupos da oposição quirguizes ainda não decidiram quem foi escolhido para conduzir um governo interino.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.