Indústria da aviação pede fim das quarentenas

O Conselho Internacional de Aeroportos (ACI, sigla em inglês) e a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) pediram esta semana o fim das quarentenas impostas a viajantes por diversos países e propuseram no seu lugar a realização mais sistemática de testes para detectar a COVID-19 em passageiros.

O objectivo das duas organizações é poder normalizar, o mais rápidamente possível, as actividades do sector, fortemente prejudicado pelas restrições impostas por muitos governos para conter os avanços da pandemia.

De acordo com as duas entidades, o impacto das medidas de combate à disseminação da pandemia foram “catastróficas” na criação de empregos, já que cerca de 4,8 milhões de funcionários foram demitidos ou correm o risco de perder o vínculo laboral.

“Os governos devem cooperar para acabar com restrições como a quarentena para que as viagens aéreas sejam retomadas”, sublinharam as duas organizações num comunicado conjunto.

“Uma abordagem sistemática à realização dos testes de COVID-19 é uma forma eficaz de dar aos governos a confiança para reabrir as fronteiras sem impor quarentenas”, acrescentou o texto.

A ACI e a IATA também lembraram que trabalharam com a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), órgão da Organização das Nações Unidas responsável pela regulação do sector, e com a Organização Mundial da Saúde (OMS) “para debater e implementar medidas sanitárias que permitam um funcionamento seguro no meio da crise causada pela COVID-19”.

O Director Geral da ACI, Luis Felipe de Oliveira, afirmou que os aeroportos e as companhias aéreas acreditam que uma abordagem consistente para a realização de testes em viajantes ajudará a “restaurar a confiança dos passageiros, a evitar o encerramento de fronteiras e a eliminar medidas rígidas, como as quarentenas, que estão a atrapalhar os esforços genuínos do sector para a recuperaração”.

Por sua vez, Alexandre de Juniac, director geral e director-executivo da IATA, entidade que reúne 80 por cento das companhias aéreas do mundo, reafirmou que “o teste sistemático é fundamental para restaurar a conectividade” e lembrou que “milhões de empregos dependem da aviação”.

A IATA e a Organização Mundial do Turismo (OMT) assinaram esta terça-feira um memorando de entendimento para trabalhar de forma conjunta e restaurar a confiança em viagens aéreas, com o objectivo de reactivar o turismo global.

Também esta terça-feira, a IATA informou que as companhias aéreas de todo o mundo tiveram um prejuízo de 77.000 milhões de dólares no segundo semestre de 2020, e vão necessitar, até ao final do ano, de um auxílio financeiro adicional por parte dos governos nacionais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.