Programa Alimentar Mundial galardoado com o Prémio Nobel da Paz

O Prémio Nobel da Paz foi atribuído, esta sexta-feira,  ao Programa Alimentar Mundial da ONU,  anunciou o Comité Nobel norueguês, destacando que a necessidade de soluções multilaterais é “mais visível do que nunca”.

O Programa Alimentar Mundial foi recompensado pelos “seus esforços na luta contra a fome, pelo seu contributo para a melhoria das condições de paz nas zonas atingidas por conflitos e por ter desempenhado um papel de liderança nos esforços, visando a impedir o uso da fome como arma de guerra”, declarou a presidente do Comité Nobel, Berit Reiss-Andersen.

O director-executivo do Programa, David Beasley, disse estar “honrado” com a  distinção: “É um tremendo reconhecimento do compromisso da família PAM, que trabalha todos os dias para erradicar a fome em mais de 80 países”, escreveu na sua conta do Twitter.

“Estou sem palavras pela primeira vez na minha vida”, acrescentou Beasley, num vídeo, no qual homenageou os 17.000 funcionários do PMA. “Eles estão em campo, nas zonas mais difíceis, mais complexas do planeta, seja por guerra, conflitos, condições climáticas extremas, seja o que for. Eles estão em campo e merecem esta recompensa”, celebrou Beasley.

Num comunicado, o responsável insistiu na ligação indissociável entre “segurança alimentar, paz e estabilidade”: “Sem paz, não podemos alcançar o nosso objectivo global de erradicar a fome. E, enquanto a fome persistir, nunca teremos um mundo pacífico”, advertiu.

Este é o 12º Prémio Nobel da Paz concedido a uma organização ou personalidade da ONU, ou que esteja ligada às Nações Unidas. O Programa Alimentar Mundial foi fundado em 1961, tem sede em Roma e é financiado exclusivamente por doações voluntárias.

De helicóptero, de camelo, ou de elefante, a agência diz que distribuiu 15.000  carregamentos de alimentos no ano passado e ajudou 97 milhões de pessoas em 88 países.

Os números podem parecer altos, mas representam apenas uma fração muito pequena das necessidades actuais do planeta.

O Programa auto define-se como “a maior organização humanitária”, num mundo onde 690 milhões de pessoas, ou seja, uma em cada 11, sofreram de falta crónica de alimentos em 2019. A fasquia sofreu, sem dúvida, um agravamento este ano com a pandemia do novo coronavírus.

Receber o Prémio Nobel da Paz é um “momento de orgulho”, reagiu Tomson Phiri, porta-voz do Programa Alimentar Mundial, pouco depois do anúncio do Comité Nobel: “Uma dos aspectos mais belos das actividades do PMA é que não fornecemos alimentos apenas para hoje e  paraamanhã, mas também damos às pessoas os conhecimentos necessários para se sustentarem nos dias que se seguem”, disse Phiri, numa entrevista colectiva em Genebra, logo após saber, ao vivo, que a sua organização tinha sido distinguida.

O Nobel “é uma forma poderosa de lembrar ao mundo que a paz e a erradicação da fome são inseparáveis”, reagiu a organização no Twitter.

Fome em proporções “bíblicas”

Os países em conflito são uma das prioridades do PMA, já que a guerra é tanto causa como consequência da fome. O Iémen é um exemplo doloroso e flagrante de suas reivindicações.

A ONU e várias Organizações Não Governamentais alertaram sobre as consequências humanitárias do conflito que opõe, desde 2015, o governo, apoiado por uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita, aos rebeldes huthis, apoiados pelo Irão.

Os combates causaram dezenas de milhares de mortos, a maioria civis, segundo as ONGs, e três milhões de deslocados, tendo mergulhado o país numa fome profunda.

Dois terços dos 30 milhões de habitantes “não sabem o que terão para comer na próxima vez que passarem fome”, estima o Programa Alimentar Mundial.

A covid-19 complicou ainda mais o panorama humanitário global, devido às suas consequências económicas e sanitárias: “Podemos vir a enfrentar fomes de proporções bíblicas dentro de alguns meses”, alertou David Beasley, em Abril passado.

De acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas publicado em meados de Julho, a recessão global causada pelo coronavírus pode fazer com que entre 83 milhões e 132 milhões de pessoas adicionais sofram de fome: “O Programa Mundial de Alimentos teria sido um laureado digno sem uma pandemia, mas a pandemia e as suas consequências aumentaram as razões para conceder este prémio à organização”, disse Reiss-Andersen.

No total, 211 indivíduos e 107 organizações foram candidatas ao Prémio Nobel da Paz em 2020.

O prémio, que consiste numa medalha de ouro, um diploma e dez milhões de coroas suecas (cerca de 1,1 milhões de dólares americanos), será entregue formalmente a 10 de Dezembro, aniversário da morte de seu fundador, o empresário e filantropo sueco Alfred Nobel (1833-1896), se as condições sanitárias o permitirem.

No ano passado, o Nobel da Paz foi concedido ao primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, pelos seus esforços para se aproximar da vizinha Eritreia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.