Trump saiu do hospital, mas “não está fora de perigo”

Sean Conley, médico pessoal de Donald Trump, reconheceu esta segunda-feira que o presidente dos Estados Unidos da América  “não está fora de perigo” e pisa em “território desconhecido” para outros pacientes com COVID-19 por causa do tipo de tratamento que recebeu no hospital militar Walter Reed.

Numa conferência de imprensa realizada logo após Trump anunciar que vai retornar à Casa Branca ainda esta segunda-feira, Conley defendeu a decisão de dar alta ao presidente após apenas três dias de internamento, durante os quais sofreu pelo menos duas quedas no níveis de oxigénio.

“Ele ainda não está fora de perigo”, disse Conley à imprensa, do lado de fora do hospital. Conley explicou ainda que será preciso esperar até à próxima segunda-feira para ter segurança total em relação ao quadro de Trump: “Estamos, um pouco, em território desconhecido por se tratar de um paciente que recebeu o tipo de terapias que recebeu tão cedo no tratamento. Por isso, estamos a pensar no fim de semana. Se chegarmos à próxima segunda-feira e ele continuar igual, ou melhor, poderemos finalmente respirar de alívio”, acrescentou.

Conley reconheceu que o consenso médico é que os pacientes com COVID-19 são especialmente vulneráveis durante um período entre sete e dez dias após os primeiros sintomas, e que Trump ainda não chegou a esse ponto, mas revelou estar “cautelosamente optimista” de que tudo irá correr bem: “(Trump) terá um médico pessoal prestigiado à disposição 24 horas por dia na Casa Branca, e não vamos perder nada que poderíamos eventualmente detectar aqui” no hospital, disse o médico.

Muitos doentes com COVID-19 que parecem relativamente saudáveis pioram subitamente durante esse período de entre sete  adez dias, e alguns especialistas médicos manifestaram preocupação com a decisão dos médicos de permitir que Trump voltasse à Casa Branca a meio do tratamento experimental que está a receber.

Trump está entre os primeiros pacientes conhecidos com COVID-19 a receber uma combinação de tratamentos potentes, como o cocktail experimental de anticorpos da farmacêutica Regeneron, o antiviral Remdesivir e o esteroide dexametasona.

A dexametasona é normalmente administrada em casos graves de COVID-19, e muitos médicos advertem contra o medicamento em fases iniciais da doença.

O presidente ainda não concluiu o tratamento com Remdesivir, que é normalmente administrado a doentes hospitalizados. Nesta segunda-feira, o mandatário receberá a quarta dose, antes de sair do hospital, e, na terça-feira receberá a quinta e última dose na Casa Branca.

Conley explicou que os médicos monitorizam Trump para comprovar quando o presidente se livra do vírus vivo que se possa propagar, o que normalmente ocorre “dentro de 10 dias, embora haja a possibilidade de ser mais cedo ou mais tarde”.

O médico recusou-se novamente a esclarecer quando é que o último teste de Trump resultou negativo, o que ajudaria a determinar quando pode ter sido infectado ou começado a infectar outros. Conley negou-se ainda a esclarecer se há algum dano nos pulmões do presidente, dizendo que há aspectos de que não se pode falar por causa da lei de privacidade do paciente.

Conley negou que Trump tenha pressionado a equipa médica para regressar à Casa Branca o mais depressa possível e até defendeu a decisão do presidente de sair neste domingo, num veículo em que seguiam vários membros dos Serviços Secretos, para cumprimentar apoiantes fora do hospital.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.