Nobel da Medicina para trio que descobriu o vírus da hepatite C

Os americanos Harvey Alter e Charles Rice e o britânico Michael Houghton são os vencedores do Prémio Nobel de Medicina de 2020 pela descoberta do vírus da hepatite C, anunciou o júri do Nobel esta segunda-feira, em Estocolmo.

Os três foram escolhidos pelo “seu contributo decisivo para a luta contra este tipo de hepatite, um grande problema de saúde mundial que provoca cirrose e cancro do fígado”, explicou o júri.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula em quase 70 milhões o número de infecções por hepatite C. A doença provoca 400.000 mortes por ano.

No fim dos anos 1970, Harvey Alter apercebeu-se que, durante as transfusões, acontecia um contágio hepático misterioso, e não era nem hepatite A nem hepatite B, recordou o júri.

Anos mais tarde, em 1989, Michael Houghton e a sua equipa foram reconhecidos pela descoberta da sequência genética do vírus. Charles Rice analisou durante anos a maneira como o vírus se replicava, investigações que levaram ao aparecimento  de um novo tratamento revolucionário no início dos anos 2010.

“O trabalho de Rice é uma conquista histórica na nossa luta contínua contra as infecções virais”, afirmou Gunilla Karlsson Hedestam, membro da Assembleia Nobel, o organismo que decide os vencedores.

O prémio é o primeiro diretamente relacionado com um vírus desde 2008.

Depois do concedido a dois virologistas em 1946 (de Química), o Nobel une-se aos 17 prémios directa, ou indirectamente, vinculados a trabalhos sobre os vírus, de acordo com Erling Norrby,  antigo secretário da Academia Sueca de Ciências.

Os vencedores do Prémio Nobel serão anunciados esta semana, como estava previsto, mas a cerimónia presencial de entrega dos prémios, a 10 de Dezembro em Estocolmo, foi cancelada devido à pandemia do novo coronavírus.

Os laureados, que compartilham quase um milhão de euros, receberão os prémios nos seus respectivos países de residência.

No ano passado, o Nobel de Medicina foi concedido aos americanos Willial Kaelin e Gregg Semenza, assim como ao britânico Peter Ratcliffe, pelos seus trabalhos sobre a adaptação das células aos níveis variáveis de oxigénio no corpo, abrindo perspectivas no tratamento do cancro e da anemia.

Na terça-feira será anunciado o Nobel de Física; na quarta, o da Química; e, no dia seguinte, o prémio Nobel da Literatura.

O Nobel da Paz será revelado na sexta-feira em Oslo. E o prémio da Economia, criado em 1968, encerrará a temporada na próxima segunda-feira.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.