Hong Kong. Governo proíbe manifestação no 1.º de Outubro

As autoridades da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong proibiram na segunda-feira um grupo pró-democracia de realizar uma manifestação no Dia Nacional da China. Os protestos foram praticamente proibidos na antiga colónia britânica desde que a nova Lei da Segurança Nacional foi promulgada, no final de Junho.

A República Popular da China assinala a sua fundação no 1º de Outubro com um feriado e celebrações cuidadosamente coreografadas, mas em Hong Kong a data tornou-se um dia de reivindicações  por parte dos que estão preocupados com o crescente controlo autoritário de Pequim.

No ano passado, no 70º aniversário da fundação da República Popular da China, Hong Kong foi palco de um dos mais duros confrontos entre os manifestantes e a polícia em sete meses de manifestações pró-democracia:

“A polícia rejeitou a manifestação por razões de saúde pública, segurança e protecção das liberdades e direitos das pessoas”, disse o superintendente Cheung Chi-wai aos jornalistas na segunda-feira.

O pedido para realizar a manifestação foi feito pela Frente Civil dos Direitos humanos, uma coligação de organizações não governamentais que organizou marchas em prol da democracia que mobilizaram centenas de milhares de pessoas no ano passado. A iniciativa tinha por objectivo, entre outros aspectos, pedir a libertação de 12 residentes de Hong Kong – um dos quais de nacionalidade portuguesa – que se encontram sob custódia policial no Continente.

O grupo tinha tentado fugir para Taiwan de barco, mas foi interceptado pela guarda costeira chinesa e desde então desapareceram no opaco sistema judicial da República Popular da China.

A polícia de Hong Kong vai colocar na rua pelo menos 3.000 agentes para evitar qualquer protesto, disse à AFP fonte policial sob anonimato.

Em fóruns de mensagens nas redes sociais usados por manifestantes no ano passado, muitos sugeriram recentemente a realização de protestos nocturnos em toda a cidade se a marcha oficial for proibida, mas não está claro se as reuniões se vão materializar.

Eeste ano, os protestos têm sido quase impossíveis em Hong Kong, com as medidas contra a Covid-19 a ter um impacto importante nesta situação.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.